Bombeiro é recordista em número de Irons 70.3

Atualizado em 20 de setembro de 2016
Mais em Bike

O triatleta-bombeiro Rob Verhelst, de 34 anos, mais conhecido entre os americanos como o Fireman Rob, completou 23 provas do Ironman 70.3 em 2015. Com isso, quebrou o recorde mundial, que desde o fim de 2010 pertencia a Jack Lawrence, o Iron Cowboy, que fez 22 provas em sequência. Lawrence ainda segue no Guinness, como o único triatleta a completar 50 triathlons em 50 dias seguidos, um em cada estado americano. Para chegar a marca incrível, Rob rodou o equivalente a 55.000 mil milhas em viagens entre Estados Unidos e Canadá, sendo 27.6 milhas de natação, 1.228 km de ciclismo e 301.3 milhas de corrida de rua, ao longo de nove longos meses.

A odisseia do triatleta-bombeiro começou no dia 10 de janeiro, no Hits Naples (Flórida), e só chegou ao fim no Ironman 70.3 de Austin (Texas), quando o recorde foi homologado (8 de novembro). Um dos detalhes mais impressionantes nas provas de Rob é que, nos últimos quilômetros da corrida de rua, ele coloca a roupa de bombeiro e cruza a linha de chegada como se fosse ir direto ao trabalho. A vestimenta completa pode pesar 25 kg.

“Eu amo ser triatleta e incluir o meu trabalho no esporte me alegra muito. É uma forma de dar força às pessoas, mostrar que elas podem se superar e se tornar mais fortes”, diz Verhelst, que com o recorde sabe que o assédio e convites para participar de provas em outros países podem aparecer. “Eu nunca competi fora dos EUA, mas posso topar novos desafios e disputar mais etapas do Iroman 70.3”, diz.

E quando se fala em vir à América do Sul e se aventurar em uma prova no Brasil, Rob se mostra entusiasmado, e diz que adoraria poder competir e passagem sua mensagem de vida aos brasileiros. Também conta que vai assistir, junto com a mulher e os dois filhos, às provas do Rio 2016, em casa. “Sei que o triathlon vem crescendo em outras partes do mundo, e o Brasil é um dos países que também passou a receber mais etapas e provas. Acho que a tendência é que o interesse fique maior com as Olimpíadas”. O triatleta-bombeiro acredita que a compatriota Gwen Jorgensen deve levar o ouro no feminino. E, no masculino, ele vê o espanhol Javier Mola como favorito, mas que outros atletas da Europa e EUA podem tirar a medalha dourada dele.