patrocinador
<p class=Sobrecarga na articulação e falta de fortalecimento muscular causam a síndrome patelofemoral.

Causa

  • Alterações anatômicas na tróclea femoral
  • Fraqueza e/ou desequilíbrio do quadríceps
  • Desalinhamento da postura corporal
  • Correr sempre em piso muito duro
  • Qualidade dos tênis
  • Volume e intensidade dos treinos

Sintomas

  • Dor na parte da frente do joelho
  • Dor ao esticar a perna após um período sentado
  • Estalo do joelho, sensação de a patela estar desencaixando
  • Inchaço na parte da frente do joelho
  • Dor para subir e descer escadas ou ladeiras
  • Como em qualquer lesão, o processo inflamatório apresenta uma sequência, avisa Luís Fernando Machado. Primeiro, o atleta sente dor apenas ao praticar o exercício. Por fim, passa a sentir dor até em repouso
[caption id="attachment_197" align="alignnone" width="740"]JoelhoCorredor A patela pressiona o fêmur, causando inflamação[/caption] Tratamento
  • Interromper os treinamentos
  • Fazer compressas de gelo para diminuir o processo inflamatório
  • Tomar anti-inflamatórios — só em repouso (ou camuflarão a lesão)
  • Trabalhar o reequilíbrio muscular, a fim de fortalecer a musculatura da coxa e diminuir o impacto no joelho
  • Fazer fisioterapia com aparelhos específicos para tratamento da inflamação
  • Cirurgia, mas somente em último caso, dependendo da gravidade

Prevenção

  • Reforçar os músculos da região da coxa, com alongamento complementar, visando à diminuição de sobrecarga no joelho
  • Usar tênis adequados para o tipo de pisada e de piso
  • Evitar treinos em subidas e descidas

Retorno às corridas

  • O tempo de recuperação depende do estágio no qual a lesão começou a ser tratada. O ideal é procurar o médico aos primeiros sinais de dor
  • Dependendo do grau, a lesão da cartilagem não regride. Isso significa que, ao treinar para uma prova ou intensificar a corrida com subidas e descidas, o atleta voltará a sentir dor. Por isso, é fundamental realizar um trabalho de fortalecimento muscular

A patela começa a lixar o fêmur, provocando a inflamação, seguida de muitas dores”

Se, ao iniciar aquela subida matadora, sente seu  joelho  reclamar, ou se levanta da cadeira do escritório, após um dia extenuante de trabalho, e escuta o joelho estalar, como se desencaixasse do resto da perna, é bem provável que você esteja sofrendo da chamada síndrome da dor patelofemoral, conhecido como joelho de corredor. É uma lesão — ou associação de várias lesões — que resulta em um mesmo quadro: degeneração da cartilagem articular da superfície posterior da patela, seguida de desconforto e dor.

O problema do joelho de corredor ataca mulheres e homens, e acontece após um atrito anormal da patela com o sulco patelar do fêmur. Traduzindo: a patela começa a lixar o fêmur, uma vez que é essa cartilagem que dá movimento aos joelhos, provocando a inflamação, seguida de muitas dores. Nas mulheres, os joelhos mais para dentro e a bacia mais larga provocam um desalinhamento da patela, que tende a se deslocar mais para fora. Nos corredores, a sobrecarga de treino, principalmente em subidas e descidas, resulta no maior atrito e, consequentemente, em mais desgaste da cartilagem, o que pode gerar o joelho de corredor. Se não há trabalho de fortalecimento muscular adequado, alongamento e equilíbrio postural, as chances de sentir dor nos joelhos sãos grandes. “Quando você trabalha os músculos da coxa, como se deve fazer, a sobrecarga da corrida vai para lá, e não para o joelho. Dessa forma, o impacto na cartilagem, no tendão e na articulação diminui”, explica Luís Fernando Machado, ortopedista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

O tratamento do joelho de corredor ainda é um desafio, por falta de bases científicas das técnicas de reabilitação. “Distúrbios no alinhamento estático e dinâmico dos membros inferiores, como a pronação excessiva, têm sido associados como fatores de risco para a disfunção”, explica a fisioterapeuta Sandra Aliberti, que produziu tese de mestrado sobre o tema. É fundamental o uso de tênis com boa estabilidade, para não agravar a tendência de pisar para fora ou para dentro, além de evitar declives nos cantos das ruas.

"/>Foto:

Sobrecarga na articulação e falta de fortalecimento muscular causam a síndrome patelofemoral.

Causa

  • Alterações anatômicas na tróclea femoral
  • Fraqueza e/ou desequilíbrio do quadríceps
  • Desalinhamento da postura corporal
  • Correr sempre em piso muito duro
  • Qualidade dos tênis
  • Volume e intensidade dos treinos

Sintomas

  • Dor na parte da frente do joelho
  • Dor ao esticar a perna após um período sentado
  • Estalo do joelho, sensação de a patela estar desencaixando
  • Inchaço na parte da frente do joelho
  • Dor para subir e descer escadas ou ladeiras
  • Como em qualquer lesão, o processo inflamatório apresenta uma sequência, avisa Luís Fernando Machado. Primeiro, o atleta sente dor apenas ao praticar o exercício. Por fim, passa a sentir dor até em repouso
[caption id="attachment_197" align="alignnone" width="740"]JoelhoCorredor A patela pressiona o fêmur, causando inflamação[/caption] Tratamento
  • Interromper os treinamentos
  • Fazer compressas de gelo para diminuir o processo inflamatório
  • Tomar anti-inflamatórios — só em repouso (ou camuflarão a lesão)
  • Trabalhar o reequilíbrio muscular, a fim de fortalecer a musculatura da coxa e diminuir o impacto no joelho
  • Fazer fisioterapia com aparelhos específicos para tratamento da inflamação
  • Cirurgia, mas somente em último caso, dependendo da gravidade

Prevenção

  • Reforçar os músculos da região da coxa, com alongamento complementar, visando à diminuição de sobrecarga no joelho
  • Usar tênis adequados para o tipo de pisada e de piso
  • Evitar treinos em subidas e descidas

Retorno às corridas

  • O tempo de recuperação depende do estágio no qual a lesão começou a ser tratada. O ideal é procurar o médico aos primeiros sinais de dor
  • Dependendo do grau, a lesão da cartilagem não regride. Isso significa que, ao treinar para uma prova ou intensificar a corrida com subidas e descidas, o atleta voltará a sentir dor. Por isso, é fundamental realizar um trabalho de fortalecimento muscular

A patela começa a lixar o fêmur, provocando a inflamação, seguida de muitas dores”

Se, ao iniciar aquela subida matadora, sente seu  joelho  reclamar, ou se levanta da cadeira do escritório, após um dia extenuante de trabalho, e escuta o joelho estalar, como se desencaixasse do resto da perna, é bem provável que você esteja sofrendo da chamada síndrome da dor patelofemoral, conhecido como joelho de corredor. É uma lesão — ou associação de várias lesões — que resulta em um mesmo quadro: degeneração da cartilagem articular da superfície posterior da patela, seguida de desconforto e dor.

O problema do joelho de corredor ataca mulheres e homens, e acontece após um atrito anormal da patela com o sulco patelar do fêmur. Traduzindo: a patela começa a lixar o fêmur, uma vez que é essa cartilagem que dá movimento aos joelhos, provocando a inflamação, seguida de muitas dores. Nas mulheres, os joelhos mais para dentro e a bacia mais larga provocam um desalinhamento da patela, que tende a se deslocar mais para fora. Nos corredores, a sobrecarga de treino, principalmente em subidas e descidas, resulta no maior atrito e, consequentemente, em mais desgaste da cartilagem, o que pode gerar o joelho de corredor. Se não há trabalho de fortalecimento muscular adequado, alongamento e equilíbrio postural, as chances de sentir dor nos joelhos sãos grandes. “Quando você trabalha os músculos da coxa, como se deve fazer, a sobrecarga da corrida vai para lá, e não para o joelho. Dessa forma, o impacto na cartilagem, no tendão e na articulação diminui”, explica Luís Fernando Machado, ortopedista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

O tratamento do joelho de corredor ainda é um desafio, por falta de bases científicas das técnicas de reabilitação. “Distúrbios no alinhamento estático e dinâmico dos membros inferiores, como a pronação excessiva, têm sido associados como fatores de risco para a disfunção”, explica a fisioterapeuta Sandra Aliberti, que produziu tese de mestrado sobre o tema. É fundamental o uso de tênis com boa estabilidade, para não agravar a tendência de pisar para fora ou para dentro, além de evitar declives nos cantos das ruas.

Joelho de Corredor

Atualizado em 17 de maio de 2016
Joelho de Corredor
Mais em Por Que Dói

Sobrecarga na articulação e falta de fortalecimento muscular causam a síndrome patelofemoral.

Causa

  • Alterações anatômicas na tróclea femoral
  • Fraqueza e/ou desequilíbrio do quadríceps
  • Desalinhamento da postura corporal
  • Correr sempre em piso muito duro
  • Qualidade dos tênis
  • Volume e intensidade dos treinos

Sintomas

  • Dor na parte da frente do joelho
  • Dor ao esticar a perna após um período sentado
  • Estalo do joelho, sensação de a patela estar desencaixando
  • Inchaço na parte da frente do joelho
  • Dor para subir e descer escadas ou ladeiras
  • Como em qualquer lesão, o processo inflamatório apresenta uma sequência, avisa Luís Fernando Machado. Primeiro, o atleta sente dor apenas ao praticar o exercício. Por fim, passa a sentir dor até em repouso
JoelhoCorredor

A patela pressiona o fêmur, causando inflamação

Tratamento

  • Interromper os treinamentos
  • Fazer compressas de gelo para diminuir o processo inflamatório
  • Tomar anti-inflamatórios — só em repouso (ou camuflarão a lesão)
  • Trabalhar o reequilíbrio muscular, a fim de fortalecer a musculatura da coxa e diminuir o impacto no joelho
  • Fazer fisioterapia com aparelhos específicos para tratamento da inflamação
  • Cirurgia, mas somente em último caso, dependendo da gravidade

Prevenção

  • Reforçar os músculos da região da coxa, com alongamento complementar, visando à diminuição de sobrecarga no joelho
  • Usar tênis adequados para o tipo de pisada e de piso
  • Evitar treinos em subidas e descidas

Retorno às corridas

  • O tempo de recuperação depende do estágio no qual a lesão começou a ser tratada. O ideal é procurar o médico aos primeiros sinais de dor
  • Dependendo do grau, a lesão da cartilagem não regride. Isso significa que, ao treinar para uma prova ou intensificar a corrida com subidas e descidas, o atleta voltará a sentir dor. Por isso, é fundamental realizar um trabalho de fortalecimento muscular

A patela começa a lixar o fêmur, provocando a inflamação, seguida de muitas dores”

Se, ao iniciar aquela subida matadora, sente seu  joelho  reclamar, ou se levanta da cadeira do escritório, após um dia extenuante de trabalho, e escuta o joelho estalar, como se desencaixasse do resto da perna, é bem provável que você esteja sofrendo da chamada síndrome da dor patelofemoral, conhecido como joelho de corredor. É uma lesão — ou associação de várias lesões — que resulta em um mesmo quadro: degeneração da cartilagem articular da superfície posterior da patela, seguida de desconforto e dor.

O problema do joelho de corredor ataca mulheres e homens, e acontece após um atrito anormal da patela com o sulco patelar do fêmur. Traduzindo: a patela começa a lixar o fêmur, uma vez que é essa cartilagem que dá movimento aos joelhos, provocando a inflamação, seguida de muitas dores. Nas mulheres, os joelhos mais para dentro e a bacia mais larga provocam um desalinhamento da patela, que tende a se deslocar mais para fora. Nos corredores, a sobrecarga de treino, principalmente em subidas e descidas, resulta no maior atrito e, consequentemente, em mais desgaste da cartilagem, o que pode gerar o joelho de corredor. Se não há trabalho de fortalecimento muscular adequado, alongamento e equilíbrio postural, as chances de sentir dor nos joelhos sãos grandes. “Quando você trabalha os músculos da coxa, como se deve fazer, a sobrecarga da corrida vai para lá, e não para o joelho. Dessa forma, o impacto na cartilagem, no tendão e na articulação diminui”, explica Luís Fernando Machado, ortopedista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

O tratamento do joelho de corredor ainda é um desafio, por falta de bases científicas das técnicas de reabilitação. “Distúrbios no alinhamento estático e dinâmico dos membros inferiores, como a pronação excessiva, têm sido associados como fatores de risco para a disfunção”, explica a fisioterapeuta Sandra Aliberti, que produziu tese de mestrado sobre o tema. É fundamental o uso de tênis com boa estabilidade, para não agravar a tendência de pisar para fora ou para dentro, além de evitar declives nos cantos das ruas.

Leia a seguir: Lesão do Hálux