Whey Protein: Anvisa volta a proibir venda de lote do produto

Atualizado em 05 de agosto de 2016
Mais em Nutrição

Mais uma vez a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a distribuição e comercialização de um lote de Whey Protein. Após não permitir a comercialização de 20 lotes em fevereiro de 2014  agora a agência proíbe o lote 003522 2 do suplemento Super Whey 3W, sabor baunilha, da empresa Integralmédica.

leia-mais-cinza
icon texto_menor  SUPLEMENTOS: ESCOLHA O SEU 
icon texto_menor  WHEY PROTEIN: PRECISO MESMO TOMAR? 
icon texto_menor  WHEY PROTEIN: 15 PRODUTOS TESTADOS TÊM A COMPOSIÇÃO ADULTERADA 

A decisão, publicada em resolução no Diário Oficial da União na ultima sexta-feira, dia 25 de julho, foi tomada após a análise laboratorial detectar quantidade de carboidratos superior, em mais de 20%, ao valor declarado no rótulo do suplemento. O conteúdo diferente do que é informado se caracteriza como fraude contra o consumidor e prática desleal de comércio. Mas os produtos proibidos não apresentam risco à saúde, podendo, apenas, não ajudar a obter o resultado esperado por quem os consome.

O suplemento tem data de validade até abril de 2015, mas com a proibição o lote não deve ser comercializado. Os produtos que ainda estão no mercado serão recolhidos, enquanto que os consumidores que o adquiriram devem entrar em contato com o fabricante.

Em tempo: a proibição deste lote fazia parte da lista de 20 suplementos para atletas proibidos pela Anvisa no começo do ano, mas a empresa comprovou ter solicitado perícia de contraprova dentro do prazo previsto em lei. Após essa contraprova, o produto passou por uma análise de testemunho, que comprovou resultado insatisfatório.

Outro caso
A Anvisa anunciou mais uma decisão sobre o mesmo caso. Desta vez a agência liberou a importação, distribuição e comercialização do produto Carnivor Bioengineered Beef Protein Isolate produzido a partir do lote 0297G3, de julho de 2013. O suplemento é fabricado pela MuscleMeds e distribuído pela Nutrition Import Comércio Atacadista de Suplemento Ltda.

A liberação ocorre com base em testes laboratoriais feitos no Brasil e nos Estados Unidos. Os lotes do produto anteriores a julho de 2013, no entanto, permanecem proibidos.