Óleo de Baru para perda de peso

Atualizado em 28 de abril de 2016
Mais em Nutrição

A obesidade já é um problema mundial. Só no Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 51% da população está acima do peso; destes, cerca de 20% estão obesos. Além das maneiras mais efetivas de perder peso (reeducação alimentar e exercícios), outros aliados na busca pelo corpo ideal entram em cena para quem busca uma mãozinha para driblar as estatísticas. Um deles é o óleo de Baru, recentemente aprovado pela Anvisa para ser comercializado no Brasil.

Os óleos, como o de coco e de cártamo, fazem parte dos alimentos/suplementos que auxiliam no controle do peso. O óleo de baru também faz parte do time e é extraído da semente da castanha de baru, tradicional do Cerrado brasileiro. Ele tem ação antioxidante, é rico em ômega 3, 6 e 9, além de proteínas, fibras e minerais, como cálcio, ferro e zinco.

O óleo de baru aumenta, ainda, a atividade das enzimas antioxidantes e desempenha papel importante na redução do estresse, um dos principais agentes causadores do ganho de peso. Ele tem grande poder de saciedade, promove a redução do colesterol LDL e aumenta os níveis do colesterol HDL, o chamado bom colesterol.

 

leiamais-cinza-novo

icon texto_menor SEMENTES (E RECEITAS) PARA A SUA DIETA
icon texto_menor AMÊNDOAS AJUDAM A MANTER O PESO 

O fruto do baruzeiro é também conhecido como “viagra do cerrado”, apelido recebido nas regiões em que é extraído devido a fama de ser afrodisíaco. Composta por alto valor energético de boa qualidade, a Castanha de Baru também atribui este mérito por ser rica em Zinco, nutriente mineral importante para a fertilidade feminina e masculina.

Além do óleo de baru, outra opção para aproveitar seus benefícios é ingerir a tradicional castanha de baru, sua semente, polpa, ou ainda utilizar o alimento no preparo de pratos diversos. Evite, apenas, sua ingestão de forma crua, pois possui elementos que podem reduzir a absorção de nutrientes pelo organismo (e que são facilmente inativados quando levado ao fogo para torrar).

 

Fontes: Patrícia Lopes, nutricionista da Global Suplementos,  Universidade Federal de Goiás  e Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)