Antes e depois: corpo (e mente) 21 kg mais leves com a corrida

Atualizado em 16 de outubro de 2018
Mais em Nutrição

Sem disposição nenhuma, sedentário e pesando 86 kg, o coordenação de criação paulista Leandro Nicolai percebeu que algo haveria de mudar. “O único exercício que seguia era o de levar comida até a boca ou o de apertar o botão do micro-ondas para esquentar as besteiras”, conta. Leandro começou a entrar em depressão, já que os problemas de saúde começaram a aparecer cada vez mais e a atrapalhar sua vida. “Nessa época (em 2012) meu colesterol estava muito alto, comecei a sentir dores no peito, falta de ar e muitos outros incômodos. Foi então que decidi começar a caminhar com um amigo”, conta.

Aos poucos, Leandro percebeu que a caminhada já estava lhe trazendo benefícios e, ao sentir que emagreceu, aumentou a distância. “Chegava a andar 10 km todos os dias, do trabalho para a casa. Mas, decidi arriscar e apostar na corrida, para ver se os resultados começavam a aparecer mais”, relembra.

Mesmo pesando menos do que quando começou (mesmo sem dieta) a caminhar, Leandro sentiu-se desanimado por não aguentar correr por mais de 5 minutos. “Já com om 73 kg, em 2013, meu peso ficou estabilizado, pois fazia exercícios na semana, mas comia muita besteira também e não vivia sem refrigerante”, afirma.

Em agosto do mesmo ano, resolveu apostar na academia: corria na esteira e fazia musculação. Mas, a alimentação continuava péssima e não saia da casa dos 73 kg. “Foi, então, que no começo deste ano resolvi entrar de cabeça [na corrida]: consultei uma nutricionista e me adaptei aos treinos na rua”.

Em contato cada vez mais com a corrida, ele relembra que não foi fácil largar as coisas que gostava, mas que isso foi essencial para se sentir uma nova pessoa. “Hoje, com 65 kg, termino minha primeira meta — que era emagrecer — e dou inicio a definição muscular. Mas nunca vou abandonar a corrida, pois foi com ela que me motivei mais e mais”.

Por fim, o corredor afirma com felicidade que a nova vida fez dele um vencedor. “Não é fácil para quem está acostumado a não fazer nada e comer de tudo mudar os hábitos. Mas, é preciso ter em mente: “se você não fizer isso por você, quem fará?”. A mensagem que deixo para os corredores é sempre acreditar em si mesmo. Pode demorar o tempo que for, mas a corrida e a mudança de hábitos farão de você uma pessoa melhor”.