Sempre perto das piscinas

Atualizado em 25 de julho de 2016
Mais em Notícias

Ele é um dos principais ídolos do esporte nacional, -posto- adquirido ao longo de sua carreira de nadador, em que conquistou quatro medalhas olímpicas, 19 medalhas em pan-americanos e mais outras 31 em copa do mundo, além dos vários recordes sul-americanos e mundiais.

Hoje longe das competições que o consagraram, Gustavo Borges não abandonou, porém, as piscinas. A vida de empresário está cheia de projetos em várias áreas, como a linha de óculos que tem com a Speedo e as palestras que ministra país afora, entretanto, seu foco nos últimos meses tem sido a implantação no mercado de sua metodologia para o ensino da natação.

O primeiro credenciamento começou há pouco mais de seis meses, e neste curto espaço de tempo já contabilizam 42 estabelecimentos, em vários estados, usando a Metodologia Gustavo Borges.

Além destes locais, a metodologia é aplicada nas três academias do nadador – duas em Curitiba e uma em São Paulo – que somam mais de 1.500 alunos. Usando esta mesma média para os demais centros credenciados, pode-se dizer que temos cerca de 20 mil crianças, jovens e adultos aprendendo a nadar com as técnicas de Gustavo Borges.

Gustavo Borges recebeu o ativo.com em seu escritório, em São Paulo, e contou um pouco sobre este projeto, que se expande em ritmo acelerado, entre outros assuntos.

Como foi a formatação da Metodologia Gustavo Borges?
Gustavo Borges – Partiu da necessidade de ter um produto com uma linguagem e objetivo final dentro das nossas três unidades próprias. Como a gente estava formatando todo esse trabalho para essas unidades, chegamos a conclusão que isso poderia ser expandido para outros locais, de forma comercial, mas que também pudessem ser acompanhado por nós. Então formatamos o projeto da Metodologia Gustavo Borges para nossas unidades, mas já pensando em credenciar outros estabelecimentos.

A academia de Curitiba tem três anos, então o projeto foi desenvolvido em paralelo com sua vida de atleta?
Gustavo Borges – Foi. A formatação já vem dos últimos quatro anos. A primeira academia foi inaugurada em 2002 e a segunda em 2004 (em Curitiba) e a terceira em janeiro deste ano. Estamos com um ritmo de crescimento bacana e a formatação da metodologia acabou servindo para suprir uma necessidade técnica que a gente tinha de suporte para as unidades próprias, e aí para uma rede de credenciados.

Onde estão as academias credenciadas pela Metodologia Gustavo Borges?
Gustavo Borges – (levanta-se para mostrar na parede um mapa com as regiões marcadas) Na região de São Paulo são nove unidades, estamos em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Brasília, Manaus, região Sul (Santa Catarina está toda assinalada e ele explica que o retorno para o trabalho tem sido muito bom por lá). Começamos a credenciar em junho e vamos fechar 2005 com 42 unidades credenciadas.

Existe algum pré-requisito?
Gustavo Borges – Sim, essencialmente com relação ao asseamento da piscina e das áreas da academia. Também depende do produto que a academia se interessa (são três tipos de credenciamento – formativo, competitivo e total). Ela pode ter o competitivo, que ai depende do tamanho da piscina. Exigimos também o uso de nosso material pedagógico, fichas de inscrições, até toucas e, claro, serem capacitados por nós.

Quanto tempo leva esta capacitação?
Gustavo Borges – A capacitação oficial dura 20 horas, um final de semana, e o processo de transição dois meses, e a partir daí eles estão aptos a já trabalharem as avaliações e o procedimento todo. Os assessores, que ficam em Curitiba e em São Paulo, fazem o acompanhamento nesses dois meses de transição.

Tem sido uma média de sete academias por mês, quais são os planos para 2006?
Gustavo Borges – Gostaria de ter o mesmo ritmo, fechar o ano com aproximadamente 140 academias credenciadas. O problema não é fechar e sim fazer todo o atendimento, capacitar, distribuir o material…

Como detectar um talento na natação?
Gustavo Borges – Nas idades mais jovens com certeza a técnica do nado é fundamental. Isso, aliado aos resultados na fase da adolescência, ajuda a identificar um talento, porque na adolescência o jovem pode crescer mais, ficar mais forte que os outros, dar resultados melhores do que um atleta da mesma faixa etária, contudo, ele pode ter atingido a adolescência antes, então é difícil você comparar somente a faixa etária, tem que acompanhar o desenvolvimento deles. Mas, o aspecto técnico sempre prevalece a longo prazo para você saber se aquele atleta tem boas chances.

Você observa isso nas suas academias?
Gustavo Borges – Acompanho, mas o objetivo da academia é mais na parte formativa. Temos uma parte competitiva em Curitiba e uma aqui em São Paulo para masters. A nossa estrutura em Curitiba funciona como se fosse um clube, porque temos um grupo competitivo, federado.

E sua relação com o esporte hoje, como é?
Gustavo Borges – Eu sinto falta da competição, mas me dou muito bem com o esporte em busca do bem-estar, que seria a parte do condicionamento físico, a parte cardíaca, de estar bem preparado. Eu tento me exercitar de três a quatro vezes por semana, tento jogar tênis toda semana, faço musculação e nado, não necessariamente nesta ordem (rs), mas eu estou sempre fazendo atividade física, às vezes mais, às vezes menos, depende da época do ano, mas o condicionamento físico é essencial para mim.

Você realiza eventos esportivos hoje…
Gustavo Borges – De março a maio tem o Troféu Gustavo Borges, que é uma forma de descobrir atletas, e existem outros eventos menores também.

É bem concorrido também para palestras, não?
Gustavo Borges – As palestras são bem bacanas, eu gosto de falar em público, para qualquer tipo de público. Tem dois assuntos que sempre falo. O primeiro é uma palestra técnica do estilo livre, mas voltada para nadadores, e outra motivacional, que fala da minha trajetória em termos de objetivos, metas, parte de planejamento, treinamento e execução, que serve para qualquer público.