Como lidar com o treinamento naqueles dias

Atualizado em 20 de abril de 2016
Mais em Mulher

Todo mês, a maioria das mulheres sofre com os mesmos sintomas: inchaço, fome excessiva, mudanças de humor e forte dor nos ovários. Esses são sinais da tensão pré-menstrual, a popular TPM que aterroriza as moças e todos que estão em sua volta quando chega. O ciclo menstrual dura 28 dias e tem quatro fases que podem variar de uma mulher para outra:

Devido à influencia do aumento dos níveis de progesterona, na fase pré-menstrual o desempenho na atividade física cai. A concentração diminui e o cansaço muscular aumenta. Caso esteja na TPM e se sinta com menos energia, reduza sua carga de treino de 10 a 15%, beba muito líquido e coma alimentos ricos em carboidratos.

Já no período pós-menstrual, o rendimento é melhor do que na fase pré-menstrual, onde ocorre o aumento na produção de alguns hormônios, como a catecolamina, adrenocorticotrófico (ACTH) e cortisol, que estão diretamente relacionados com a percepção de dificuldade durante o exercício.

Portanto, mulheres com o fluxo menstrual normal e pouca dor, em geral, podem praticar atividade física normalmente durante a menstruação. Mas, aquelas que apresentarem maior sangramento e dores fortes na cabeça e estômago devem esperar, pelo menos, dois dias para voltar aos exercícios.

Amenorreia em atletas

Esse é um termo usado para descrever a falta de período menstrual, e está fortemente ligado ao excesso de exercício, ao baixo consumo de calorias, ou ambos ao mesmo tempo. Para ter períodos regulares, as mulheres devem ingerir certa quantidade de calorias e manter 16% de gordura corporal. Menos do que isso, os ovários deixam de produzir estrogênio e a menstruação não acontece. Há muitos fatores que provocam a amenorreia, mas, em atletas, é um sinal de que o corpo está sob forte estresse e com baixas reservas de energia. Segundo especialistas, o corpo de uma mulher deixa de ovular e menstruar para ter energia disponível para manter seus processos fisiológicos básicos.

Problemas de saúde

As atletas com amenorreia tem uma densidade óssea mais baixa do que as mulheres que menstruam normalmente. Essa perda de tecido ósseo pode provocar fraturas por estresse ou osteoporose ao longo dos anos. Lembre-se que a saúde está em primeiro lugar. Portanto, caso deixe de menstruar, procure seu ginecologista para saber o que está acontecendo. Também é recomendável diminuir a carga de treinamento e aumentar a ingestão de calorias e o consumo de cálcio.

(Fonte: site parceiro na Argentina atletas.info)