Doença nas articulações ganha tratamento alternativo

Atualizado em 20 de abril de 2016
Mais em Mais Esportes

Dores na musculatura, cansaço, perda de agilidade e elasticidade são alguns dos sintomas sofridos pelas pessoas que tem osteoartrite. A doença costuma aparecer na faixa dos 40 – 45 anos de idade, quando existe o envelhecimento das articulações. Para quem sofre desse mal, o jeito é buscar tratamentos médicos eficazes e nos dias de hoje, um dos mais utilizados na área médica inclui suplementos nutritivos naturais. São eles: condroitina e glucosamina.

Segundo a Dra. Thamar de B. Ferraz Fernandes, fisiatra da Clínica Ortopédica da Unimed ABC, a eficácia desses suplementos ainda é estudada, e sua principal função é diminuir o desgaste das articulações, aliviando sintomas como a dor e atrasando a progressão da osteoartrite. O efeito é muito variável, mas é positivo. “Como não é uma droga basicamente analgésica, não há melhora rápida de sintomas. O preconizado é o uso contínuo por seis meses para a certeza de melhora, mas é bastante comum a melhora de dor e funcionalidade com 15 dias de uso”, explica a doutora.

Em casa, um dos produtos que podem ser consumidos para adquirir resultado no tratamento é o JointCare, da Probiótica, que leva na fórmula o Fortigel – ingrediente desenvolvido pela Gelita, maior produtora mundial de gelatinas e colágenos hidrolisados. O Fortigel é uma combinação de peptídeos bioativos de colágeno que tem sido considerado como uma nova abordagem terapêutica para indivíduos com doença articular degenerativa. Segundo a empresa, ele promove a regeneração do tecido cartilaginoso, restaurando a flexibilidade das articulações.

De acordo com a pesquisadora sênior da área de Pesquisa e Desenvolvimento da Gelita do Brasil, Vivian Zague, quando o Fortigel é ingerido, os peptídeos são absorvidos e atingem a cartilagem articular, estimulando a biosíntese de colágeno II e proteoglicanas, responsáveis pela resistência e compressibilidade da cartilagem, respectivamente.

“Considerando que o colágeno tipo II, constitui 70% da massa seca da cartilagem e as proteoglicanas representam 25%, é evidente que o Fortigel tem um impacto positivo no anabolismo de 95% de massa seca do tecido cartilaginoso”, conclui Zague.