Tudo o que a zumba pode fazer por você

Atualizado em 18 de outubro de 2017
Mais em Treinamento

Se você nunca experimentou, certamente já ouviu falar da zumba, aula de dança que virou moda nas academias. Criada pelo personal trainer e coreógrafo Beto Perez há dez anos, a modalidade une ginástica e dança ao som de música latina, combinando ritmos de salsa, merengue e reggaeton entre outros. Muito animada e com alta queima calórica (você pode eliminar até 1000 calorias em uma hora), a dança começou a fazer grande sucesso nas academias brasileiras no ano passado e conquistou pessoas de todas as idades.

O exercício, que tem duração de 45 a 60 minutos, é indicado para pessoas de qualquer nível de preparo físico e idade. Isso porque a aula é composta por movimentos de dança fáceis de acompanhar. Realiza-se um treinamento aeróbico, intervalado e de resistência para maximizar a queima calórica e são feitas coreografias com ritmos rápidos e lentos para garantir o treino de uma forma diferente e eficaz.

 

 

Durante a zumba o músculo cardíaco, as musculaturas dos membros inferiores (glúteos e pernas) e dos membros superiores (tronco, incluindo região abdominal) são bastante requisitados, o que é ótimo para manter o condicionamento físico em dia.

Mas se você é novato na atividade, fique ligado: no começo o melhor é fazer movimentos com baixa intensidade e, com o passar do tempo, intensificá-los. Faça, também, um aquecimento adequado antes de iniciar a dança, como em qualquer outra atividade física, e alongue no fim da aula. Além disso, use tênis e roupas confortáveis, hidrate-se adequadamente e consuma carboidratos antes de se dedicar a zumba para ter energia extra durante a atividade.

A perda de peso e a redução de medidas são grandes promessas. Em seguida, aparecem a melhora do condicionamento físico e a tonificação muscular. Além disso, a zumba pode ajudar a exercitar o equilíbrio e a consciência corporal, o que faz com que você tenha um ganho de força, de coordenação motora, e possibilita a melhora do sistema cardiovascular.

(Fontes: Diego Barros, o fisiologista do esporte do HCor, e Camila Belluomine, professora de ginástica e personal trainer da academia Bio Ritmo)