Transport x esteira: qual é o melhor para você?

Atualizado em 27 de junho de 2017
Mais em Treinamento

A esteira ou transport? Eis o dilema. Apesar de os aparelhos apresentarem adaptações semelhantes, na capacidade cardiovascular em pessoas que estão iniciando um programa de treino aeróbio, cada um tem particularidades. Fato é que os dois tornaram-se as máquinas aeróbias mais populares das academias. Mas, qual escolher? Um é melhor do que o outro?

Quando se compara uma esteira a um elíptico, a constatação mais rápida e evidente é a de que os elípticos causam menos impacto sobre as articulações do que as esteiras, o que significa que eles são os aparelhos ideais para quem, por exemplo, está acima do peso ou se recupera de uma lesão. Para que entenda, quando uma pessoa anda, o impacto sobre os joelhos é de aproximadamente duas vezes o seu peso do corpo, mas quando ela corre, pode ultrapassar três vezes o peso corporal. Pulando, o choque é ainda maior. É por isso que qualquer um que tenha dor nas articulações ou lesões articulares se beneficia mais do uso dos elípticos.

Por outro lado, o choque resultante do contato dos pés com a esteira ajuda a fortalecer os ossos, o que também é importante e pode trazer bons resultados para aqueles que não sentem dores nas articulações e que não estão se recuperando de uma lesão.

Outro ponto que as diferencia: gasto de calorias e aumento do VO2 máx. A esteira apresenta uma força de reação contra o solo bastante significativa, apesar dos seus sistemas de amortecimento que minimizam o impacto. Devido a essa característica, a queima calórica pode chegar a até 400 calorias em 30 minutos de atividade. O transport, por sua vez, pode atingir uma queima calórica de até 250 calorias no mesmo tempo, justamente por não existir força de reação.

Apenas por isso, a maior parte das pessoas certamente apostaria na esteira. Mas estudos da Universidade de Missouri-Columbia (EUA), mostram que a falta de impacto nas articulações permite queimar quase a mesma quantidade de calorias que a esteira, com a vantagem de que o usuário tem a sensação de que o esforço que ele está fazendo é menor. De acordo com a pesquisa, se uma pessoa quiser queimar exatamente as mesmas calorias que as eliminadas quando se usa a esteira, ela terá de ficar no elíptico 10% mais tempo.

Acontece mais ou menos o mesmo com o chamado VO2 máx., um parâmetro que indica a quantidade máxima de oxigênio consumido pelo corpo. Quanto maior o VO2 máx., mais condicionado você está e, portanto, mais oxigênio será transportado para os músculos. O mesmo estudo mostra que as pessoas conseguem melhorar o seu VO2 máx. fazendo a modalidade de exercício que elas treinam mais. Como a maior parte das pessoas está acostumada a andar, trotar e correr, a esteira geralmente é o exercício mais natural para a maioria e elas conseguem queimar mais calorias porque se sentem confortáveis nela.

Mais: boa parte das pessoas tem problema de equilíbrio quando começa a se exercitar no elíptico e tende a segurar as barras do aparelho. Os resultados do estudo mostram que agarrar a barra reduz o VO2 (a porcentagem do VO2 máx., ou seja, a intensidade na qual uma pessoa se exercita) e o gasto calórico. Por isso, para quem tem problema para se equilibrar, é recomendado segurar cada barra com apenas dois dedos de uma das mãos para reduzir esse efeito. Essa mudança simples na posição da mão faz uma tremenda diferença.

Variedade é tudo

Uma das questões-chave quando se fala em exercício é quanto o aluno se mantém fiel a um treino ou aparelho. E isso está ligada à variedade. Quanto maiores as possibilidades de variar o treino, menores as chances de cair na monotonia e maiores as possibilidades de o aluno continuar a se exercitar naquela máquina. Nesse quesito, o elíptico leva vantagem. Isso porque, enquanto a esteira só permite regular inclinação e velocidade, o transport oferece a possibilidade de controlar intensidade, a opção de não usar as barras, permitindo focar o trabalho nos membros inferiores, e a de fazer o exercício no modo reverso, levando os pedais para trás, e não para frente. Ou seja, o elíptico oferece mais oportunidades de variar o treino.

(Fonte: David Silva, educador físico da Bodytech Aphaville – São Paulo)