Dieta flexível: veja pontos positivos e negativos

Atualizado em 14 de agosto de 2018
Mais em Cross Training

Há alguns meses houve o maior “bafafá” por conta desta nova forma de “dieta”. A dieta flexível é basicamente assim: você tem um número de calorias e uma porcentagem de macros pra bater. Por exemplo: 2000 calorias, 50% de carboidrato, 25% de gordura e 25% de proteína. Então você registra tudo que come em um aplicativo e equilibra os macros de acordo com sua meta. Simples assim, né? Não.

Por um lado, diversos nutricionistas se descabelaram com isso (gente, segredo, me formei em nutrição em 2008). Por outro lado, um número de pessoas pulava de alegria por poder comer chocolate e perder peso ao mesmo tempo.

E aí, qual é a dessa dieta então? Decidi começar a contar meus macros depois que voltei de férias porque estava bem difícil perder o “pânceps” que começou a se desenvolver. Ao mesmo tempo eu não queria perder performance e nem emagrecer mais do que eu já tinha emagrecido. (Sim, emagrecido com pânceps, quem nunca)? Alegria é que o pânceps diminuiu, a performance melhorou, mas não foi simplesmente sair colocando qualquer coisa pra dentro – nem do corpo nem do aplicativo.

Nestas últimas três semanas observei coisas bem, bem interessantes pra você considerar antes de sair fazendo ou antes de negar a possibilidade completamente:

Dieta Flexível: vejas pontos positivos e negativos

O QUE É BOM:

1) Acho que este é o maior benefício de todos, então vou começar por ele: comecei a entender como meu corpo funciona: quanto de cada nutriente vai bem pra mim seja para perder peso, ganhar peso, me sentir disposta… Já que eu convivo com meu corpo todos os dias, é bom saber destas coisas, né? (Como descobrir isso mais abaixo).

2) Passei a ter muito mais autonomia sobre a minha dieta. De fato eu escolho os alimentos, e isso pode ser muito bom. Sabe aquela coisa: hoje eu não quero comer aveia, quero comer pão! Tudo bem, coma o pão. Hoje eu não quero tomar malto no meio do treino, quero suco de uva integral. Tudo bem, também.

3) Equilíbrio alimentação-rotina: tem dias que meu treino é mais longo, tem dias que é curto. Tem dia que eu treino e trabalho muito, tem dia que é muito menos. Comecei a ajustar isso também nessas semanas. Dias com mais atividades, mais calorias. Com menos atividades, menos calorias.

4) Sensação de culpa muito menor ao comer um doce, uma massa, um queijo.

 

 

O QUE É RUIM:

1) Como a gente tem total poder de decisão, dá pra decidir muito mal. Basicamente eu penso assim: se você comer doce todo dia pra bater seus carbos, você vai inflamar pra treinar. Se o seu foco é performance, já está bem ruim. Se você se entupir de gordura pré-treino, provavelmente seu treino não vai render porque você vai estar digerindo aquele cheesecake. Então, é dieta flexível, não irresponsável.

2) É necessário lembrar de incluir alimentos bons, alimentação real, como parte dessas calorias. Frutas, verduras, alimentos frescos. Estes têm que ser a base e de vez em quando você dá uma mudadinha. Muitas vezes isso significa comer abacate em vez de manteiga. É isso, sorry.

3) Você vai precisar da ajuda de alguém. Sabe aquela pessoa chamada nutricionista? Sim. Antes de começar uma dieta flexível, converse com a sua. Entenda: o quanto você precisa comer ao longo do dia, quando é melhor comer estas quantidades, que tipo de alimento você precisa evitar ou deve preferir em determinados momentos do seu dia. Ou quem sabe, combine de algumas refeições serem livres pra você escolher, outras não. Tenha uma lista de alimentos que não podem faltar e tenha a lista de alimentos para momentos especiais.

É, liberdade é linda, mas tem seu preço e só vale com maturidade e conhecimento, combinado?