Corrida de obstáculos: o que comer?

Atualizado em 26 de junho de 2017
Mais em Treinamento

A  corrida de obstáculos  é a nova sensação entre os corredores. Mas, para que você tenha energia durante treinos e provas, é importante manter uma dieta voltada para esse tipo de atividade física. Isso porque a corrida com barreiras requer muita energia e explosão, já que  diversos obstáculos  que você encontra pelo caminho exigem mais vigor do seu corpo. Isso não significa que você deve comer um caminhão de calorias. Pelo contrário, manter uma alimentação equilibrada deve ser um dos seus focos principais. Mas tenha nos carboidratos e nas proteínas bons aliados, incluindo esses tipos de alimentos em praticamente todas as refeições.

Priorize, ainda, carboidratos de alta carga glicêmica próximo do horário dos treinos e das provas para que você tenha maior potência nos exercícios realizados. E preste atenção no consumo de fibras, vitaminas e minerais. Todos esses nutrientes não podem faltar em nenhuma etapa da preparação para a prova, uma vez que a deficiência alimentar fará com que você fique fraco, o oposto do seu objetivo.

A hidratação também é muito importante para que seu desempenho continue alto durante a corrida de obstáculos. Aliás, tome cuidado nos treinamentos, quando você fica mais tempo em exercício e precisa que o seu corpo esteja bem hidratado. Aposte na água a cada 30 minutos e em isotônicos, quando se exercitar por mais de 1 hora. Para o aumento de rendimento, você ainda pode investir em aminoácidos e na cafeína.

O que colocar no prato?

Você já sabe no que investir. Mas quais alimentos são mais indicados para esse tipo de atividade? Os ricos em carboidratos mais bacanas para a corrida de obstáculos são mandioca, batata e arroz, enquanto que os alimentos ricos em proteínas podem ser carne vermelha magra, frango e peixe. Oleaginosas e o abacate também são boas opções por serem fontes de gorduras insaturadas, já que você terá um alto gasto energético e elas ajudam no ganho de potência.

No dia da  prova, no entanto, evite o consumo de fibras e proteínas de lenta absorção, pois esses alimentos podem causar desconforto gástrico. Não é interessante, também, testar alimentos novos. Coma apenas aquilo que você já está habituado e que seu organismo tolera. (Fonte: Renato Barbim, nutricionista consultor da New Millen)