ReproduçãoFoto: Reprodução

Apresentador do SporTV alerta: saiba escolher seu coach

Atualizado em 07 de abril de 2017
Mais em Notícias

É inegável o crescimento do crossfit no Brasil. Em pouco tempo, o país se tornou o segundo em todo o mundo em número de boxes afiliados, atrás somente dos EUA e à frente de potências como Canadá e Austrália. Juliano Ceglia, apresentador do “Eu Atleta“, programa dos canais SporTV, é um dos novos adeptos. Formado em jornalismo, hoje cursa educação física para aprimorar o seu conhecimento profissional e não tem dúvidas ao afirmar: o crossfit é para todos!

Para o jornalista, o crescimento do crossfit está ligado a diversos fatores: a queda dos adeptos da musculação, considerada monótona por muitos, e a competitividades típica do crossfit, mesmo entre aqueles que não querem ser atletas de ponta.

“A maior parte das pessoas não gosta de academias e busca algo que as estimule a cuidar do corpo”, comentou Juliano. “A competição é algo estimulante e, se trabalhada com frequência, só traz benefícios ao praticante. Serve como alternativa para atividades totalmente anaeróbicas e monótonas.” Confira na íntegra a entrevista do WOD News: 

 

 

WOD News: Hoje você trabalha com jornalismo, mas vem se especializando em educação física e consultoria. Fale um pouco sobre seus trabalhos.
Juliano Ceglia: Sou jornalista e atualmente curso faculdade de educação física. Minha carreira em televisão começou em 1998 na TV Bandeirantes. Passei por quase todas as áreas e emissoras do país; produção, edição, direção de programas, reportagem… Durante quase todo esse tempo estive ligado ao esporte, não necessariamente jornalismo esportivo mas sim, incorporando esporte e atividade física nas pautas. Fui atleta profissional de natação, piloto de kart e atleta de corrida de aventura, minha rotina sempre esteve ligada em academias. Era do tipo: “aquele cara estranho que vai todo dia para academia”.

Depois da minha entrada na Rede Globo e do surgimento do Eu Atleta, intensifiquei ainda mais os assuntos relacionados à atividade física e esporte amador. Por sugestão de grandes amigos que fiz na área, decidi ingressar em mais um curso superior. Tem me ajudado bastante saber sobre anatomia, fisiologia, história da educação física, para pensar em pautas cada vez mais diferentes.

WOD News: Como apresentador de um programa bem segmentado como o Eu Atleta, você deve responder bastante essa pergunta: por que cada vez mais pessoas aderem ao crossfit?
Juliano Ceglia: Sim, na minha posição, respondo perguntas de todos os tipos. Como faço pra emagrecer, qual a melhor dieta e “crossfit é para todos”, são as que mais me questionam. Preciso ter cuidado e precaução com todos os temas, principalmente sobre crossfit. Tento utilizar minha própria experiência, boa ou ruim, somar conhecimento técnico e sempre usar a questão daquela pessoa, como forma de ajudá-la a começar alguma atividade.

Na minha opinião, o crossfit surgiu num momento importante em que a maior parte das pessoas não gosta de academias e busca algo que as estimule a cuidar do corpo. Apesar da alta intensidade, mesmo que individualmente, o crossfit tem um lado lúdico muito bacana. Treinar valências que você não utilizava desde a infância e ainda cuidar da saúde, pra mim, é o que tem trazido tanta gente para a modalidade. Além, é claro, de ter um marketing muito bem definido e uma plástica de movimentos atrativa. Isso é a cereja do bolo.

WOD News: É cada vez mais comum ver ex-atletas ou personalidades praticando crossfit para manter o corpo em forma. Considera esse o principal benefício da atividade?
Juliano Ceglia: Quem se aprofunda um pouco mais na essência do exercício físico sabe que o intuito principal é o ganho de saúde. Mas nós sabemos que a estética é o que a maior parte das pessoas busca. Baseado em diversos estudos que tenho lido e em cursos que participo, concluo que o crossfit consegue aliar o que há de mais efetivo em treinamento esportivo e, por isso, traz ótimos ganhos estéticos e de condicionamento físico.

Aliás, na minha opinião, o slogan do CrossFit Games é a melhor definição do que é o crossfit: “a pessoa mais bem condicionada do mundo”. Algo progressivo, estimulador e eficiente.

WOD News: É comum ouvir coaches e atletas falarem que o crossfit é bom para todos. Com as devidas precauções, a prática é mesmo recomendada para crianças, adultos e para a terceira idade?
Juliano Ceglia: Tenho uma visão bastante crítica com profissionais de educação física, academias e boxes. Pratiquei crossfit em vários lugares e digo que é preciso escolher com cuidado o coach e o box que você vai treinar.

Às vezes muito estímulo é perigoso e realmente traz lesão, numa execução realizada de forma errada. Como é uma modalidade de alta intensidade, que muitas vezes envolve tempo de execução do WOD, utiliza equipamentos e acessórios com peso, o menos é mais.

É preciso realizar muito bem um exercício antes de subir a carga ou aumentar a intensidade. Preze por um coach que te dê atenção na execução dos movimentos até você acertar, fuja de outros que apenas gritem no seu ouvido pra dar seu máximo. Desta forma eu afirmo com propriedade: o crossfit é para todos.

WOD News: O crossfit permite que diversos atletas amadores participem de competições em diferentes categorias. O coletivismo e a competitividade têm tirado pessoas da musculação, considerada por muitos monótona, e levado ao crossfit?
Juliano Ceglia: Justamente isso. A competição é algo estimulante e, se trabalhada com frequência, só traz benefícios ao praticante. Serve como alternativa para atividades totalmente anaeróbicas e monótonas. Por este motivo, cada vez mais praticantes que sofriam por estar numa sala de musculação estão no crossfit.

Lá, você chega sem saber exatamente o que irá fazer e cada dia é uma novidade. Algo que muitos não sabem ou não percebem é que existe periodicidade no crossfit. Ou seja, na segunda-feria, se você treinou mais membros inferiores, provavelmente na terça a ênfase será em outro grupamento muscular ou atividade aeróbica. Isso deixa a modalidade bem completa.

WOD News: Alguns procuram o crossfit para redução de peso, outros para o crescimento muscular, mas é unanimidade o ganho de condicionamento físico e cardiorrespiratório. No seu ponto de vista, esse é o principal objetivo e benefício ao praticar o crossfit?
Juliano Ceglia: Sim, na minha visão, como havia dito, essa mistura de aeróbico com treinamento de força, vários grupamentos musculares, aliados ao trabalho de mobilidade, flexibilidade e fortalecimento do core, fazem toda a diferença.

WOD News: O Brasil ainda tem o crossfit como uma prática amadora, mas já é o segundo país no mundo com número de boxes afiliados. Acredita que teremos atletas de ponta num futuro não tão distante?
Juliano Ceglia: Tenho certeza que nos próximos dois anos o crossfit irá crescer ainda mais no mundo todo e, principalmente, no Brasil. Com isso, o aumento de praticantes e a “descoberta” de novos atletas será maior.

Além disso, nós, brasileiros, ainda temos uma vantagem: aqui, um coach de crossfit precisa necessariamente ser formado em educação física, diferentemente de países como os EUA, onde você pode simplesmente fazer o curso do CrossFit Level 1 e começar a dar aulas. Teoricamente, temos mais chances de “criar” novos atletas pelo país e melhorar consideravelmente o condicionamento físico da população.

WOD News: Muitos ainda temem fazer uma aula experimental ou fechar um plano num box de crossfit baseados no mito de que a prática causa muitas lesões. O que fazer para acabar com esse rótulo?
Juliano Ceglia: Acabar com esse rótulo é uma função dos coaches e de nós da imprensa, que precisamos “traduzir” o que é o crossfit da maneira correta. Além disso, é preciso que alguns profissionais da área de saúde estudem mais e vivenciem mais a modalidade antes de emitir suas opiniões.

Já ouvi dizer que o crossfit é a alegria dos fisioterapeutas, já que eles teriam ganhado mais pacientes depois da expansão da modalidade no país. Claro que são casos isolados, mas não sou a favor de rotular nenhuma atividade. Cada uma tem seu espaço e deve ter o título que lhe é merecido.

Percebi que os boxes estão oferecendo uma semana de “degustação” para novos clientes, em vez de apenas um dia. Acho que o caminho seja este, pois você só entende o conceito da modalidade frequentando alguns dias seguidos e não tendo só uma experiência isolada.

WOD News: Por fim, qual sua recomendação para quem está começando agora no crossfit e para quem ainda tem receio em praticar?
Juliano Ceglia: Minha recomendação é que esse praticante vá de coração aberto, sem se preocupar que lesiona, que é muito intenso ou que não vai dar conta do treino. Um bom coach e um bom box saberão como fazer sua evolução gradativamente para que ele conquiste os benefícios do “estilo de vida crossfit”.

Outra opção é acompanhar o Eu Atleta, que agora conta com um quadro específico no programa sobre crossfit. Parabéns à WOD News pela iniciativa saudável em levar informações ao público!