ShutterstockFoto: Shutterstock

Tendinite: corra para bem longe dela

Atualizado em 30 de novembro de 2018
Mais em Treinamento

Em algum momento da sua vida de corredor você já deve ter sentido aquela dorzinha esporádica, normalmente, no fim dos treinos. Aquela que, mais adiante, começa a incomodar no começo da corrida e que irá atrapalhar a cada quilômetro percorrido. Essa dor pode ser uma tendinite, problema que está ligado ao treino inadequado, ao aumento repentino de intensidade e ao desequilíbrio muscular.

O que é a tendinite?

Como os tendões são estruturas fibrosas, com pouca vascularização (circulação sanguínea), eles possuem a função de transmitir a força gerada pelos músculos aos ossos, o que irá determinar o movimento do corpo. Quando inflamados, os tendões passam a sentir contrações, denominadas tendinites.

Manifestadas através de dores localizadas próximas as articulações e tendões, a tendinite é uma dor difusa, que pode aparecer antes, durante e depois de uma atividade física intensa, como a corrida.

Como pode acontecer?

Muitas vezes, a tendinite acontece de maneira mecânica, podendo tornar-se crônica.  Há vários fatores que podem fazer com que o problema se torne recorrente: a falta de descanso adequado e a vascularização pobre de alguns tendões, como o tendão supraespinhal do ombro e o tendão de Aquiles (principais afetados), são algumas delas.

Além disso, a falta de acompanhamento do corredor por um médico (para o check-up), a falta de preparo físico e, principalmente, os aumentos súbitos no volume dos treinos podem contribuir para o aparecimento da dor.

Existe prevenção?

O tratamento mais indicado é a fisioterapia, que inclui recursos analgésicos e exercícios para o fortalecimento muscular.  Outra alternativa é a terapia por ondas de choque (TOC), onde um aparelho aplica pequenos choques nos tendões estimulando a circulação sanguínea na área afetada.

E fique atento, também, a sola do seu tênis: uma sola muito dura, bem como um tênis muito acolchoado, pode agravar ainda mais a tendinite.

(Fonte: Dr. Fabiano Muller, médico do esporte especialista em lesão muscular – São Paulo)