O lado emocional das lesões

Atualizado em 20 de dezembro de 2017
Mais em Treinamento

Com os dias cada vez mais corridos e a pressão que diversas pessoas sofrem no trabalho e no cotidiano, algumas lesões acabam sendo resultado de distúrbios emocionais. É o chefe gritando, o telefone que não para de tocar, os diversos e-mails a serem respondidos… Uma hora o corpo responde.

Isso não significa que os machucados são provenientes de dores psicológicas, incômodos sentidos onde não existem lesões, nem motivos físicos para as queixas. Essas dores provenientes do estresse são lesões que, realmente, trazem algum prejuízo para o corpo. E quando esse corpo é de um corredor, as dores podem ser ainda piores.

Para que você entenda, o que acontece é que nas pessoas mais tensas, estressadas, preocupadas, nervosas e aflitas, o corpo tende a ser mais rígido, com músculos mais contraídos do que o necessário. Essa contração faz o músculo suportar menos cargas, perder a elasticidade e a resistência, além de ficar mais dolorido e, naturalmente, mais vulnerável. É como se o corpo estivesse carregando sempre mais peso, além do próprio peso. Imagine tudo isso durante a corrida?

leia-mais-cinza
icon texto_menor  LOMBALGIA: O QUE É E COMO PREVENIR
icon texto_menor  DOR: SAIBA SE É DO TREINO OU SE INDICA LESÃO
icon texto_menor  FRIO OU QUENTE: MODOS DE USO

Ainda tem outros agravantes. Os músculos ao redor das costelas são responsáveis por toda a musculatura da respiração. Pessoas mais tensas tendem a enrijecê-los, atrapalhando a entrada e a saída de ar, o que acarreta em queda no rendimento nos treinos. Agora, pense nos vasos sanguíneos, que passam entre os músculos. Quando a tensão muscular está acima do normal, eles são mais comprimidos, dificultando a circulação e podendo, inclusive, gerar problemas cardíacos.

O resultado: dias afastado das corridas, esporte que tem como um dos principais objetivos aliviar a tensão do dia a dia. Por isso, tente sempre manter a calma: pessoas mais tranquilas, sem qualquer sinal de estresse ou preocupações, têm o corpo solto, flexível, com respiração lenta e sangue bem fluído. Mas não exagere demais na tranquilidade. É preciso ter uma tensão muscular mínima para proteger as articulações durante as passadas. Encontre um equilíbrio: nem muito estressado, nem muito relaxado. Assim seu corpo ficará sadio.

E quando você se machuca?
Você faz de tudo para deixar as lesões bem longe, mas acaba deixando o estresse do dia a dia interferir na sua saúde e precisa ficar um tempo afastado das corridas. Aqui, surge um novo problema: a frustração de precisar ficar longe de algo que você ama e que faz muito bem para o seu corpo e a sua mente, a corrida.

Caso isso aconteça, siga os passos abaixo para saber lidar com a pressão psicológica de não poder correr por um tempo.

– Veja a lesão como uma oportunidade
Um período de recuperação é um momento perfeito para trabalhar em seus pontos fracos, já que você não vai gastar tanto tempo correndo. Se você nunca consegue trabalhar o fortalecimento muscular, por exemplo, essa é uma boa oportunidade para apostar nesse trabalho.

– Mantenha-se ativo
Converse com seu médico sobre as recomendações para as atividades seguras durante a sua recuperação. Algumas boas escolhas, geralmente, são atividades de baixo impacto, como ioga, Pilates, natação ou corrida aquática. A atividade física ajudará a evitar sentimentos de tristeza e raiva.

– Procure outros calmantes
Agora, é a hora de encontrar outras atividades de relaxamento que podem ajudar a gerenciar o estresse (incluindo o estresse de lidar com a sua lesão). Pegue algumas revistas, livros, ou um jogo de palavras cruzadas, qualquer coisa que vai manter sua mente ocupada.

– Pense positivo
Tente não adotar uma atitude pessimista. A ideia de que tudo ficará bem em breve vai ajudar a acelerar a sua recuperação.

(Fonte: Marcel Sera, fisioterapeuta especialista em reabilitação e disfunção físicas, além de tratamento de dor com uso de terapias manuais e medicina oriental)