Meias de compressão aliadas dos corredores

Atualizado em 29 de abril de 2016
Mais em Treinamento

As meias de compressão estão cada vez mais na moda entre os corredores. Seja iniciante ou veterano, é fácil encontrar o acessório em uma corrida de rua, independente da distância. Mas, até que ponto vale o investimento, já que elas são caras? Meiões de futebol – também comuns nas provas de fim de semana – têm o mesmo efeito?

O doutor Kasuo Miyake, cirurgião vascular, formado pela Universidade de São Paulo (USP), e especialista no assunto, explica como as meias de compressão – inventadas em 1929 – funcionam. “Ela [a meia] comprime mais na região dos pés e tornozelos. A pressão diminui gradualmente em direção aos joelhos, o que chamamos de gradiente de pressão”, conta o especialista.

leiamais-cinza-novo
icon texto_menor  AUMENTE O SEU Q.I.C.
icon texto_menor  13 DICAS PARA MELHORAR A RESISTÊNCIA
icon texto_menor   DORES NAS COSTAS SÃO PROBLEMA PARA CORREDORES 

O acessório pode ser usado para vários fins. “Quem está viajando e vai correr, pode usar as meias de compressão para chegar com a perna mais descansada. Elas também são utilizadas em corridas acima dos 10 km e para a recuperação pós treino”, conta o especialista.

“A pressão maior na extremidade [região dos pés e tornozelo] criam um efeito parecido com o de deixar os pés dentro d’água”, relata o doutor Miyake. “O gradiente de pressão diminui o efeito da força da gravidade, facilitando a circulação do sangue venoso e dos líquidos linfáticos.” Além disso, a meia diminui os edemas (acúmulo anormal de líquido nas cavidades corporais) e a vibração muscular – que pode causar fraturas de estresse e tendinites, segundo o médico.

Ele alerta que há muitos produtos sendo vendidos que prometem a compressão correta, porém não cumprem. “A meia não pode deixar marcas de garrote [como se estivesse apertando] quando retirada.”

Outro diferencial importante: apesar de muito mais baratos, os meiões de futebol não têm a mesma função das meias de compressão. “Na teoria, a peça usada pelos jogadores só piora a performance do corredor, pois sua função é ajudar a proteger de impactos e segurar a caneleira. Não há o gradiente de pressão”, avisa.

Apesar de serem mais indicadas para corridas longas, acima dos 10 km, distâncias mais curtas também podem ser melhoradas com o uso da meia. “Ela melhora o retorno venoso e linfático, além de diminuir a vibração muscular, mas a diferença de usar ou não é mais percebida em distâncias longas e/ou em pessoas com refluxo nas veias safenas, que é assintomático entre 20 e 30% das pessoas.”

É fato que as meias de compressão foram criadas para ajudar, mas também podem prejudicar muitos corredores. O Dr. Miyake listou os riscos que o acessório pode trazer:

– Gradiente invertido: comprimir mais na panturrilha e menos no pé dificulta o retorno do fluxo de sangue e linfático;
– Garrote: piora o retorno linfático e, em caso de usar a meia em uma viagem longa, pode causar trombose de veias;
– Aquecimento: tecidos grossos, que encharcam e aquecem, fazem com que o nosso corpo tente resfriar o local por meio de aumento da circulação. Se a pessoa tem refluxo nas veias e/ou está em um prova longa e quente, vai ter mais inchaço nas pernas.

O valor desses produtos varia muito. Por isso, tome cuidado: “O preço é proporcional à qualidade do fio, tecnologia de tecelagem, respiração que o acessório permite, diversidade de formatos etc. Porém, meias de qualidade melhor, duram muito mais e comprimem da forma correta, fazendo valer o investimento.”

A última grande função das meias de compressão é o auxílio na recuperação pós-treino. “Os atletas têm empregos e, lá, trabalham sentados, com as pernas para baixo. O sangue que desce para os membros inferiores precisa subir contra a gravidade para voltar para o coração”, explica o médico. “Isso causa um inchaço, mesmo que não aparente, mas que retarda a recuperação fisiológica dos músculos.” Com a meia, esse fluxo é facilitado.