Por mais que você tome cuidado para que as lesões nos pés não apareçam, três delas insistem em surgir, vez ou outra, nos pés dos corredores. Frieira, unhas pretas e unha encravada são carmas para muitos atletas que se dedicam à corrida de rua e precisam de cuidados especiais na hora do tratamento.

Reunimos as dicas essenciais para que você se livre desses ferimentos e previna o seu aparecimento. São conselhos simples que farão com que você não tenha mais dores de cabeça.

<strong>1. Frieira</strong>
A infecção por fungos, também conhecida como pé de atleta, se desenvolve em lugares que ficam úmidos por causa do suor. Geralmente, aparecem entre os dedos e pode causar dores durante a corrida.
Você pode pegar a infecção ao tocar a área afetada em outra pessoa, porém o mais frequentemente é entrar em contato com o fungo em superfícies contaminadas, como no piso de vestiários. Por isso, não abra mão de seus chinelos.
Para o tratamento é importante que você limpe bem a região atingida com água quente e use geis ou cremes antifungos para eliminar o causador do problema. Além disso, para evitar que a frieira volte a aparecer, também lave os seus tênis e esteja sempre com as meias secas, já que isso evita que o fungo se desenvolva.

<strong>2. Unhas pretas</strong>
Quando você treina para corridas mais longas precisa tomar cuidado com as unhas pretas, conhecidas como hematoma subungueal. Elas surgem por causa da pressão dos dedos contra a parte da frente do tênis, o que ocorre quando eles estão muito apertados. Essa fricção faz com que os vasos sanguíneos da região se rompam, formando a tal unha preta. Para evitar o problema, use tênis que não apertem os seus pés e meias mais finas.
Outros métodos efetivos de prevenção são cortar as unhas com regularidade e usar meias para correr, pois assim o pé não fica em contato direto com a costura do calçado. É importante, também, amarrar bem o tênis para que ele se encaixe no pé perfeitamente.
Mas caso você já sofra com o problema, deite e repouse sua perna sobre uma almofada para aliviar o incômodo. Usar gelo sobre a lesão também pode ajudar a amenizar a inflamação. E se você perceber que a unha vai cair, deixe que ela caia sozinha. Não arranque e tampouco faça força para que ela saia do pé antes do tempo. À medida que a nova unha cresce, a outra vai se descolando até ruir.

<strong>3. Unhas encravadas</strong>
As unhas são proteção para seus dedos. Sua função principal é proteger essa zona do corpo que tem grandes chances de sofrer traumatismos. O problema só surge quando os calçados apertam demais ou a unha é cortada de forma incorreta, causando o seu encravamento.
O ideal é que você não corte as unhas em casa, sempre optando pela ajuda de um podólogo. Mas se isso não for possível faça o corte com um ângulo de 90°, sem curvas nas laterais. Isso evita que elas encravem com a pressão dos dedos contra o tênis.
Além disso, use um tênis que sejam um número maior do que o tamanho do seu pé, já que durante a atividade a tendência do corpo é reter alguns líquidos e provocar inchaço, um prato cheio para aquela unha torta pegar na ponta do tênis e causar o desconforto.
Em caso de infecção, faça uma compressa quente para drenar a secreção. Mas vale lembrar que esse tipo de tratamento será apenas uma medida de emergência e só o manuseio de um profissional pode livrá-lo do incômodo.

(Fontes: Rosa Maria Santos, podóloga do Centro de Atividades Podológicas de Campinas – São Paulo)Foto: Por mais que você tome cuidado para que as lesões nos pés não apareçam, três delas insistem em surgir, vez ou outra, nos pés dos corredores. Frieira, unhas pretas e unha encravada são carmas para muitos atletas que se dedicam à corrida de rua e precisam de cuidados especiais na hora do tratamento. Reunimos as dicas essenciais para que você se livre desses ferimentos e previna o seu aparecimento. São conselhos simples que farão com que você não tenha mais dores de cabeça. 1. Frieira A infecção por fungos, também conhecida como pé de atleta, se desenvolve em lugares que ficam úmidos por causa do suor. Geralmente, aparecem entre os dedos e pode causar dores durante a corrida. Você pode pegar a infecção ao tocar a área afetada em outra pessoa, porém o mais frequentemente é entrar em contato com o fungo em superfícies contaminadas, como no piso de vestiários. Por isso, não abra mão de seus chinelos. Para o tratamento é importante que você limpe bem a região atingida com água quente e use geis ou cremes antifungos para eliminar o causador do problema. Além disso, para evitar que a frieira volte a aparecer, também lave os seus tênis e esteja sempre com as meias secas, já que isso evita que o fungo se desenvolva. 2. Unhas pretas Quando você treina para corridas mais longas precisa tomar cuidado com as unhas pretas, conhecidas como hematoma subungueal. Elas surgem por causa da pressão dos dedos contra a parte da frente do tênis, o que ocorre quando eles estão muito apertados. Essa fricção faz com que os vasos sanguíneos da região se rompam, formando a tal unha preta. Para evitar o problema, use tênis que não apertem os seus pés e meias mais finas. Outros métodos efetivos de prevenção são cortar as unhas com regularidade e usar meias para correr, pois assim o pé não fica em contato direto com a costura do calçado. É importante, também, amarrar bem o tênis para que ele se encaixe no pé perfeitamente. Mas caso você já sofra com o problema, deite e repouse sua perna sobre uma almofada para aliviar o incômodo. Usar gelo sobre a lesão também pode ajudar a amenizar a inflamação. E se você perceber que a unha vai cair, deixe que ela caia sozinha. Não arranque e tampouco faça força para que ela saia do pé antes do tempo. À medida que a nova unha cresce, a outra vai se descolando até ruir. 3. Unhas encravadas As unhas são proteção para seus dedos. Sua função principal é proteger essa zona do corpo que tem grandes chances de sofrer traumatismos. O problema só surge quando os calçados apertam demais ou a unha é cortada de forma incorreta, causando o seu encravamento. O ideal é que você não corte as unhas em casa, sempre optando pela ajuda de um podólogo. Mas se isso não for possível faça o corte com um ângulo de 90°, sem curvas nas laterais. Isso evita que elas encravem com a pressão dos dedos contra o tênis. Além disso, use um tênis que sejam um número maior do que o tamanho do seu pé, já que durante a atividade a tendência do corpo é reter alguns líquidos e provocar inchaço, um prato cheio para aquela unha torta pegar na ponta do tênis e causar o desconforto. Em caso de infecção, faça uma compressa quente para drenar a secreção. Mas vale lembrar que esse tipo de tratamento será apenas uma medida de emergência e só o manuseio de um profissional pode livrá-lo do incômodo. (Fontes: Rosa Maria Santos, podóloga do Centro de Atividades Podológicas de Campinas – São Paulo)

Livre-se das dores nos pés

Atualizado em 20 de dezembro de 2017
Mais em Treinamento

Por mais que você tome cuidado para que as lesões nos pés não apareçam, três delas insistem em surgir, vez ou outra, nos pés dos corredores. Frieira, unhas pretas e unha encravada são carmas para muitos atletas que se dedicam à corrida de rua e precisam de cuidados especiais na hora do tratamento.

Reunimos as dicas essenciais para que você se livre desses ferimentos e previna o seu aparecimento. São conselhos simples que farão com que você não tenha mais dores de cabeça.

1. Frieira
A infecção por fungos, também conhecida como pé de atleta, se desenvolve em lugares que ficam úmidos por causa do suor. Geralmente, aparecem entre os dedos e pode causar dores durante a corrida.
Você pode pegar a infecção ao tocar a área afetada em outra pessoa, porém o mais frequentemente é entrar em contato com o fungo em superfícies contaminadas, como no piso de vestiários. Por isso, não abra mão de seus chinelos.
Para o tratamento é importante que você limpe bem a região atingida com água quente e use geis ou cremes antifungos para eliminar o causador do problema. Além disso, para evitar que a frieira volte a aparecer, também lave os seus tênis e esteja sempre com as meias secas, já que isso evita que o fungo se desenvolva.

2. Unhas pretas
Quando você treina para corridas mais longas precisa tomar cuidado com as unhas pretas, conhecidas como hematoma subungueal. Elas surgem por causa da pressão dos dedos contra a parte da frente do tênis, o que ocorre quando eles estão muito apertados. Essa fricção faz com que os vasos sanguíneos da região se rompam, formando a tal unha preta. Para evitar o problema, use tênis que não apertem os seus pés e meias mais finas.
Outros métodos efetivos de prevenção são cortar as unhas com regularidade e usar meias para correr, pois assim o pé não fica em contato direto com a costura do calçado. É importante, também, amarrar bem o tênis para que ele se encaixe no pé perfeitamente.
Mas caso você já sofra com o problema, deite e repouse sua perna sobre uma almofada para aliviar o incômodo. Usar gelo sobre a lesão também pode ajudar a amenizar a inflamação. E se você perceber que a unha vai cair, deixe que ela caia sozinha. Não arranque e tampouco faça força para que ela saia do pé antes do tempo. À medida que a nova unha cresce, a outra vai se descolando até ruir.

3. Unhas encravadas
As unhas são proteção para seus dedos. Sua função principal é proteger essa zona do corpo que tem grandes chances de sofrer traumatismos. O problema só surge quando os calçados apertam demais ou a unha é cortada de forma incorreta, causando o seu encravamento.
O ideal é que você não corte as unhas em casa, sempre optando pela ajuda de um podólogo. Mas se isso não for possível faça o corte com um ângulo de 90°, sem curvas nas laterais. Isso evita que elas encravem com a pressão dos dedos contra o tênis.
Além disso, use um tênis que sejam um número maior do que o tamanho do seu pé, já que durante a atividade a tendência do corpo é reter alguns líquidos e provocar inchaço, um prato cheio para aquela unha torta pegar na ponta do tênis e causar o desconforto.
Em caso de infecção, faça uma compressa quente para drenar a secreção. Mas vale lembrar que esse tipo de tratamento será apenas uma medida de emergência e só o manuseio de um profissional pode livrá-lo do incômodo.

(Fontes: Rosa Maria Santos, podóloga do Centro de Atividades Podológicas de Campinas – São Paulo)