Livre-se das câimbras e corra melhor

Atualizado em 20 de dezembro de 2017
Mais em Treinamento

Você está no auge do seu treino quando, de repente, aparece a câimbra. A atitude imediata é se jogar no chão e começar a puxar a musculatura afetada, pois, apesar de a dor mais intensa durar cerca de 30 segundos, ela é tão forte que não tem como continuar correndo. Quem já não passou por isso?

Durante a prática de atividades físicas, realmente, pode ocorrer rigidez nos músculos e a tal câimbra. Acredita-se que, em corridas, a relação da bomba de sódio e de potássio é um fator desencadeador da dor através da desidratação ou perdas excessivas de sódio com o suor. Mas isso em treinos mais longos e quando o corredor negligência a hidratação ou não planeja as devidas reposições durante uma prova.

Existem muitas causas para o surgimento de câimbras musculares, mas grandes perdas de sódio e líquidos costumam ser fatores essenciais que predispõem a esses incômodos musculares. O sódio é um mineral importante na iniciação dos sinais dos nervos e ações que levam ao movimento nos músculos. Por isso, um déficit desse elemento e de líquidos pode tornar os músculos sensíveis. Nessas condições, uma leve tensão e um movimento súbito podem fazer o músculo se contrair e se contorcer incontrolavelmente, o que gera a câimbra.

leia-mais-cinza
icon texto_menor  DOR NO JOELHO? PODE SER O MENISCO
icon texto_menor  ESTÁ SOL? NÃO HÁ RAZÃO PARA DEIXAR DE TREINAR
icon texto_menor  COLÁGENO, UM ALIADO DO CORREDOR

Para evitar o problema, uma leve quantidade de sal já é suficiente, pois ele ajuda a repor o mineral. Consumir bebidas esportivas que contêm uma quantidade adequada de sódio é uma maneira eficaz de repor o sódio, trazendo ótimos resultados.

Como evitar a dor?
No calor, as câimbras são ainda mais comuns, uma vez que a quantidade de suor aumenta e a perda dos sais minerais também. Para evitá-las você deve beber muito líquido durante o exercício, repor os níveis de sódio durante os intervalos em treinos mais pesados e, quando há transpiração abundante (o que pode ser feito com uma bebida esportiva), além de assegurar uma recuperação nutricional adequada (particularmente para o sal) e o descanso apropriado dos músculos após treinos intensos.

Se mesmo assim ela insistir em aparecer, pare o treino e faça uma série de alongamentos da musculatura envolvida imediatamente. Você ainda pode usar gelo no local por alguns minutos e fazer uma massagem suave na região afetada para aliviar os sintomas.

Por fim, estimule a recuperação. Para isso, o descanso e a reidratação adequada com líquidos que contenham eletrólitos (particularmente, o sódio) são essenciais e trarão a melhora rapidamente.

(Fontes: Maurício Garcia, coordenador do setor de fisioterapia do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte e fisioterapeuta do Centro de Traumatologia do Esporte da Unifesp, e Rodrigo Guimarães de Andrade, fisiatra, médico do esporte e diretor da Clínica Aspin)