Invista no deep running e ganhe rendimento

Atualizado em 29 de abril de 2016
Mais em Treinamento

Você já ouviu falar em deep running? A modalidade feita na piscina simula uma corrida terrestre com a vantagem de não causar impacto nas articulações, o que é uma boa pedida para períodos de reabilitação e, também, para ganhar rendimento nas ruas (além de ser ótima para a recuperação de provas de longa distância).

Entre os corredores a corrida na água ficou famosa em 1984, ano da primeira maratona feminina em uma olimpíada. Na época, a americana Joan Benoit era um azarão. Ela havia machucado o menisco alguns meses antes da prova e não era considerada favorita. Para não perder dias importantes de treino, passou a correr na água. Resultado: além de ganhar a medalha de ouro, a atleta manteve-se na frente o tempo inteiro. Desde então, o deep water running, que surgiu no período de guerras para auxiliar soldados a recuperar os movimentos dos membros inferiores, conquistou atletas profissionais e pessoas comuns que procuram na atividade uma maneira de ficar em forma, perder peso ou treinar durante o período de recuperação de uma lesão.

O deep running é um trabalho de corrida feito em suspensão com deslocamento ou não. Ele melhora a estabilização do tronco e o fortalecimento do core por ser feito com os movimentos da corrida, ajudando o praticante a manter o trabalho aeróbio. Os treinos ainda possuem a execução técnica da corrida (posição do tronco, joelhos, calcanhares e pés) e é muito usado no pós-provas de longa duração, como maratonas e ultramaratonas, para manter o condicionamento sem forçar demais as articulações.

leia-mais-cinza
icon texto_menor  LONGÃO À VISTA: ACERTE NO RITMO
icon texto_menor  3 MELHORES EXERCÍCIOS PARA OS GLÚTEOS
icon texto_menor  PARA ALIVIAR O JOELHO, FORTALEÇA O QUADRIL

Estudos comprovam os efeitos positivos do deep running, especialmente no que diz respeito aos índices de condicionamento físico. Pesquisadores da Florida State University, por exemplo, dividiram atletas em dois grupos: um deles foi colocado para correr na água, enquanto o outro manteve os treinos normais. Todos eles fizeram testes de VO2 máx e limiar de lactato. Os cientistas constataram que, depois de seis semanas na água, os corredores haviam mantido completamente o condicionamento físico. Ou seja, praticar a modalidade é uma ótima dica para quem está machucado, mas não quer perder a forma. E mais: a água faz com que as forças compressivas nas articulações, principalmente nos membros inferiores, diminuam, reduzindo, assim, o estresse e as lesões articulares.

Outro trabalho mostrou algo ainda mais interessante. Especialistas do Instituto Karolinska, de Estocolmo, descobriram que durante a prática do deep running a frequência cardíaca é 8-11 batimentos por minuto menor para o mesmo consumo de oxigênio quando comparada com a corrida na rua. Isso porque a água exerce uma pressão sobre o corpo três vezes maior que o ar, fazendo com que mais sangue retorne ao coração e seja bombeado a cada batimento cardíaco. Isso faz com que a atividade também seja indicada para iniciantes ou pessoas com problemas cardíacos. Além disso, a maior densidade da água gera mais resistência aos movimentos, aumentando a demanda cardiorrespiratória, pois a pressão exercida pela água no corpo do esportista faz com que haja uma melhora no retorno venoso, o que facilita o trabalho cardíaco.

Aposte no cross-training
Para investir a modalidade é importante que você faça um treinamento cruzado para ganhar rendimento na corrida, incluindo o treino ao menos uma vez por semana na sua planilha.

A corrida simulada deve ser feita em uma piscina em que não seja possível tocar o fundo, mantendo a cabeça sobre a água com o auxílio de um cinto flutuador ou um colete. A forma do movimento precisa ser a mais semelhante possível à técnica da corrida terrestre. Você pode permanecer em um lugar, nesse caso sendo ligado a uma corda presa à borda da piscina, ou pode correr livremente por toda a piscina. A corda pode servir, ainda, para aumentar a resistência, auxiliar na postura mantendo uma posição mais vertical e facilitar a monitoração do exercício.

(Fonte: Rubens Santoro, gerente de ginástica da Cia Athletica unidade Kansas – São Paulo)