Intervalado: inclua na rotina de treinos

Atualizado em 29 de abril de 2016
Mais em Treinamento

Os treinamentos intervalados são, praticamente, unanimidade nas planilhas dos corredores. A corrida intensa, seguida de uma breve pausa, ajuda os atletas a aumentarem a velocidade, a explosão muscular e, consequentemente, melhorar os tempos nas provas. Ele também é ótimo para eliminar a gordura presente no corpo.

leia-mais-cinza

icon texto_menor  TREINO PARA QUEIMAR GORDURA ABDOMINAL 
icon texto_menor  PARA SABER MAIS: TREINO INTERVALADO 

Quem deve fazer?
Se bem prescrito por um treinador, qualquer corredor pode – e deve – incluir os intervalados na rotina. Não há contraindicação para nenhum tipo de atleta, desde que seja na dose certa para cada um.

Como fazer?
Há várias formas de executar os treinos intervalados:
– Corridas em distâncias curtas (até 500 m), mas em intensidade bem alta, seguidas de uma pausa completa;
– Corridas em distâncias um pouco maiores (até 1 km), com velocidade acima da aplicada em uma prova, seguidas de uma pausa completa;
– As pausas também podem ser ativas. Após a corrida, execute algum outro tipo de exercício – sempre prescrito por um profissional.

O número de ‘tiros’ pode variar de acordo com o objetivo. Além disso, os intervalados podem ser executados de uma a três vezes por semana.

O que os intervalados fazem com o nosso corpo?
Esse tipo de exercício gera respostas específicas sobre o organismo, como a variação de frequência cardíaca – devido às mudanças de velocidade –, estilos biomecânicos e liberação de hormônios que se ligam a receptores localizados no tecido gorduroso abdominal, estimulando o corpo a usar essa gordura como fonte de energia.

Outro ponto positivo é que o organismo precisa de muito mais energia para executar um treino intervalado do que um contínuo. Ou seja, mais calorias são gastas durante o exercício.

Também há evidências de que os intervalados estimulam a maior liberação de adrenalina e noradrenalina, assim como o GH (hormônio do crescimento), no final da atividade.

(Fontes: Diego Lopez, diretor técnico da assessoria esportiva Trilopez; Rodrigo Lobo, diretor técnico da Lobo Assessoria Esportiva; e Luiz Riani Fisiologista do Instituto Vita e do Laboratório de Diagnósticos da América)