Exercícios pliométricos: saltar te ajuda a correr melhor

Atualizado em 04 de novembro de 2016
Mais em Treinamento

Você, que é iniciante, já sabe que boa parte dos treinamentos de corrida são feitos de… corrida. Você amarra os tênis, se aquece e corre. Simples assim. Mas algum dia seu personal trainer ou o treinador de sua assessoria pode lhe prescrever saltos. Esse tipo de treinamento pode ser encontrado também em algum livro, revista ou site. Trata-se dos chamados exercícios pliométricos.

Saltar para correr melhor é uma atividade descrita na literatura produzida por educadores físicos desde a década de 60. A sustentação teórica para a elaboração desse tipo de treino decorre da elaboração do chamado ciclo de alongamento-encurtamento (CAE).

Os pesquisadores que inovaram os treinos nos anos 60 constataram que, a cada contato dos pés com o solo, os músculos são submetidos às forças de impacto ou de estiramento que induzem a um ciclo constituído por:

1) uma fase de pré-ativação muscular (alongamento)

2) uma fase de contração (encurtamento).

 

 

“A corrida nada mais é do que uma sequência de saltos. Quando você treina saltos, está treinando corrida”, fala o educador físico Fellipe Franco, que é personal trainer e orienta treinos de corrida e musculação na academia Competition, além de ser treinador de corrida da assessoria Z Track.

Quando você treina saltos, deixa seu corpo mais bem preparado fisiologicamente para uma corrida. isso porque, na corrida, enquanto se alongam antes da contração, os músculos armazenam energia, que fica disponível para queima no trecho final da prova – o que torna possível o aumento de velocidade no final.  

 

Os exercícios pliométricos oferecem ainda outros benefícios, segundo Franco: postura melhor e preparação da musculatura para o continuado esforço de correr.

Adepto dos exercícios pliométricos, Franco considera interessante que, na rotina de um amador que treine corrida três vezes por semana, um deles contenha atividades de saltos. Outra forma de inserir os pliométricos é encaixá-los nas sessões de musculação, que são consideradas chatas por muitos corredores.

“Inserir movimentos como os saltos nas atividades desenvolvidas na academia tornam o treino mais objetivo. Trabalhar potência dessa forma certamente torna o treino mais interessante para o corredor. Saltar, como já disse, é correr, e introduzir um ou dois exercícios educativos desse tipo normalmente funciona bem para tornar o treino atrativo”.

A variedade de tipos de saltos é grande. No vídeo que acompanha esta matéria são contempladas apenas algumas práticas que pertencem a uma família numerosa. Confira!