10 deslizes comuns nas corridas de 16 km

Atualizado em 29 de março de 2018
Mais em Treinamento

Os 16 km não são 10 km nem 21 km. Isso parece óbvio, mas muitos corredores largam para as 10 milhas como se fosse correr 10 km, ou seja, muito forte, e acabam quebrando no meio do caminho. Em contrapartida, começar a corrida de 16 km muito lento também pode ser um problema, já que ao iniciar a prova de maneira muito conservadora você pode perder muito tempo no início e, no final, não consegue o resultado esperado.

Os corredores de corridas de 16 km acabam, muitas vezes, cometendo deslizes que podem colocar todo o planejamento para a prova-alvo no lixo. Pensando nisso, listamos os 10 erros que você deve evitar para fazer uma boa prova nessa distância.

1 – Não planejar a prova
É fundamental ter um planejamento prévio para a corrida. A melhor maneira de fazer isso é dividir a prova em três parte. Nos primeiros 5 km, vá mais devagar, pois a prova está apenas começando. Dos 5 km aos 10 km, encontre sua velocidade ideal e tente calcular pra ver se consegue se manter correndo nesse ritmo até o fim. Nos seis últimos quilômetros, você precisa saber lidar com a fadiga. Seu cérebro vai tentar te fazer diminuir a pegada, mas tente manter sua velocidade. Aquele começo mais lento é fundamental para esse gás final.

2 – Pular o aquecimento ou se aquecer demais
Prejudica a performance, pois o aquecimento serve para elevar a temperatura corporal, melhorando o fluxo sanguíneo para as pernas, o funcionamento das enzimas e uma série de ajustes necessários para obter um bom resultado. Mas muito aquecimento cansa e rouba energia preciosa para uma prova que é, razoavelmente, longa.

3 – Realizar tarefas físicas não habituais na véspera da prova
Passeios com longas caminhadas, faxina, carregar peso e outras tarefas físicas certamente deixarão o corpo cansado para a prova.

4 – Noites mal dormidas na semana da prova
Dormir mal na noite anterior, sem problemas. Mas quem vem de rotina desgastante, com baladas e saídas noturnas, sofrerá com a falta do sono reparador, aquele que te deixa descansado para dar o máximo na prova.

5 – Iniciar a prova desidratado
Muitos corredores não se hidratam bem no dia anterior e nem se preocupam com isso antes da largada. Mas iniciar a corrida hidratado é fundamental para o corpo ter maior capacidade de resfriar através do suor.

6 – Não saber o ritmo usando o cronômetro/dependência do GPS
Cada vez mais os corredores estão ficando dependentes do GPS e acabam não sabendo sentir, muito menos dosar, o ritmo a cada quilômetro. É comum o corredor fazer uma prova ruim porque o GPS estava descarregado ou quando o dia está nublado e o aparelho fica menos preciso. Treine sempre com cronômetro!

7 – Testar tênis novo só no dia da prova
É preciso adaptar-se ao material antes de uma competição. Há casos em que o atleta sente dores, fica com bolhas e acaba não fazendo uma boa prova.

8 – Testar suplemento ou gel no dia da prova
Fazendo isso, você corre grande risco de passar mal ou sofrer por não estar adaptado. Há casos de diarreia e vômito por conta de produtos que não foram testados nos treinos.

9 – Chegar tarde à prova
O ideal é chegar, no mínimo, uma hora antes do início da corrida, pois há milhares de pessoas também querendo estacionar o carro, retirar o chip, etc. Tudo isso leva tempo. Além do risco de largar atrasado, somente o estresse ocasionado já desgasta de forma desnecessária o corredor.

10 – Auto exigência
Além de estabelecer metas realistas, o atleta costuma se cobrar em demasia. Uma certa dose de ambição é interessante, mas em excesso poderá resultar em tensão desnecessária. Existem atletas amadores que se pressionam como se fossem profissionais. Nem sempre é possível obter uma boa performance e o ideal é ter uma faixa de desempenho como meta. Por exemplo: “pretendo terminar os 16 km entre 1h30 (resultado ideal) e 1h37 minutos (resultado médio)”.