Bia Neres: um é pouco? Três é demais!

Atualizado em 28 de abril de 2016
Mais em Performance

Como é feita a sua preparação?
Como no triathlon é preciso estar sempre muito bem preparado nas três modalidades, é necessário ficar atento ao overtraining e às lesões. Procuro sempre manter um equilíbrio nas três modalidades e isso começa com um trabalho de base, que sobe de forma gradual até chegar pronta para a prova.

Que conselho você dá para quem deseja migrar para o triathlon?
Escolha uma prova com a menor distância, o short triathlon (750 metros de natação/20 km de bike/5  km de corrida), com um percurso totalmente plano. Com o objetivo traçado, determine junto com seu treinador os treinos mais específicos, focando muito nas transições.

E como fazer essa transição?
De forma gradual. Correr depois de pedalar é muito diferente e muito mais difícil. Os músculos estão mais fadigados, especialmente o quadríceps. Desenvolva treinos intercalados: natação seguido de ciclismo e ciclismo seguido de corrida.

Você já sofreu com o overtraining?
Nunca, mas estive muito próximo. É uma sensação estranha, o corpo começa a mandar sinais de que vai acontecer. Você começa a sentir indisposição, perde a vontade de treinar. Nesse momento é hora de puxar o freio, parar de treinar e ir a algum lugar para relaxar.

Qual é a importância da corrida no triathlon?
Hoje é a modalidade mais importante dentro do triathlon olímpico. É na corrida que se decide uma prova e que vai determinar a sua posição no ranking. No atual nível do esporte, é praticamente obrigatório que o atleta corra muito bem. Isso me leva a correr todos os dias da semana, mas sem trabalhar muita intensidade, pois na corrida as chances de lesão são maiores.