Provas: como é feita a aferição do percurso

Atualizado em 26 de abril de 2016
Mais em Papo de Corrida

1. A aferição do percurso de uma corrida de rua é trabalhosa e repleta de detalhes. A medição é feita com um instrumento chamado clane jones – uma espécie de marcador de passos –, que é instalado no garfo da bicicleta. A primeira coisa a ser feita é calibrar o instrumento. Uma linha reta de 300 metros é medida no chão com uma fita métrica – no mundo existem apenas duas marcas homologadas para isso – e percorrida algumas vezes com a bicicleta, para saber quantos passos são contados no clane jones nessa distância. Depois, aplica-se uma regra de três para conhecer o número de passos necessários no aparelho para marcar 1 km.

2. A tarefa seguinte é percorrer com a bicicleta o trajeto da corrida – que é projetado antes pelo organizador da prova – e marcar quilômetro por quilômetro. Geralmente, isso é feito de madrugada, pois nem sempre é possível fechar o trânsito pelo tempo necessário para executar o serviço. Os organizadores costumam levar 8 horas para medir o trajeto de uma maratona, por exemplo. No final, é realizada uma nova calibragem do clane jones, já que a dilatação do pneu altera a regulagem do aparelho, e calcula-se uma média com os números obtidos na calibragem inicial. É um trabalho que exige paciência, não pode ter pressa para acabar. Qualquer variação dá diferença no final. Às vezes, se durante a medição de um percurso e a temperatura aumenta muito, é preciso parar e voltar no dia seguinte, para recomeçar com a mesma temperatura com a qual foi iniciada a medição.

leiamais-cinza-novo
icon texto_menor  QUAL O TIPO DE PISADA MAIS COMUM?
icon texto_menor  GUIA DE APPS: NA ERA DO MONITORAMENTO
icon texto_menor  TÊNIS DE CORRIDA: FUROS EXTRAS TÊM UTILIDADE

3. Mas não acaba por aí. Para concluir a certificação do percurso junto à CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) ou a IAAF, é necessário fazer um relatório detalhando quilômetro por quilômetro, o mapa completo do trajeto e o perfil altimétrico do percurso. Todo esse processo é feito para garantir que atletas do mundo inteiro corram em condições de igualdade. A certificação de uma prova vale por cinco anos e precisa ser refeita quando um recorde é batido na competição ou é feita qualquer alteração no trajeto. Toda corrida internacional ou com premiação em dinheiro precisa ter seu percurso certificado pelas entidades oficiais do atletismo.

Blue line
Nas competições oficiais da Federação Internacional de Atletismo e em grande parte das principais corridas de rua do exterior, os organizadores pintam no asfalto uma linha azul que marca o trajeto exato percorrido durante a aferição do percurso. Se o atleta correr o tempo todo sobre essa faixa azul, fará todas as curvas com a tangente perfeita e percorrerá a distância exata da prova. Geralmente, a marcação é traçada com uma tinta à base de água que desaparece alguns dias após a competição. O site da Maratona de Nova York revela que são usados 75 galões de tinta azul para pintar a linha no percurso da prova.

(Fontes: Ivan Gomes Jr. trabalha na organização de eventos esportivos e é medidor de corridas de rua certificado pela CBAt e a IAAF; Adriano Bastos é atleta profissional, formado em educação física pela FMU e diretor técnico da Adriano Bastos Treinamento Esportivo; Ricardo Hirsch é formado em educação física pela Universidade Paulista e diretor técnico da assessoria esportiva Personal Life)

(Matéria publicada na Revista O2 – edição #103 – novembro de 2011)