Eu Fui!: Mizuno Uphill Marathon

Atualizado em 26 de abril de 2016
Mais em Papo de Corrida

Todo corredor de montanha como eu sonha em um dia participar da Mizuno Uphill Marathon, que acontece todos os anos na Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina. A prova tem um cenário incrível, de tirar o fôlego, e um percurso de 42,195 km pra lá de desafiador. No dia 1º de agosto deste ano, tive finalmente a oportunidade de realizar este sonho.

A terceira edição da corrida teve, pela primeira vez, largada no meio da tarde, às 16h30, saindo de Treviso. Os 600 atletas inscritos puderam, então, escolher entre retirar o kit da prova — composto de camiseta, gym bag, viseira, número de peito e chip de cronometragem, além de uma toalha (entregue no final da corrida) —, na sexta ou no sábado. Além disso, no dia da largada, a organização ofereceu um almoço, o que foi uma ótima oportunidade para conhecer outros atletas.

A maratona Uphill é uma corrida pesada, com um nível de dificuldade alto devido ao relevo irregular e, principalmente, a altimetria. Entretanto, essa edição foi considerada a mais fácil, pois não choveu e nem fez o frio dos anos anteriores. Na hora da largada, a temperatura era de mais de 20º C e mesmo a noite, no final, não fez o frio que todos estávamos esperando.

leiamais-cinza-novo
icon texto_menor  OS DESAFIOS DA MIZUNO UPHILL MARATHON
icon texto_menor  4 DICAS PARA ENCARAR A UPHILL MARATHON

O percurso tem mais de 250 curvas, e passa pela cidade de Lauro Müller e tem a chegada na cidade de Bom Jardim da Serra. A animação dos moradores locais é incrível, o que dá mais motivação aos corredores. A organização da prova também ajuda a tornar a prova ainda mais especial. Nos pontos de apoio são oferecidos desde água, isotônico, gel de carboidrato, até frutas, refrigerante, amendoim e castanha de caju.

Na minha opinião, a Mizuno Uphill Marathon pode ser dividida em dois trechos. O primeiro é cheio de sobe-e-desce, com pedras e cascalhos, o que requer, portanto, uma grande atenção do corredor, senão você pode tropeçar e torcer o tornozelo. Já o segundo trecho, que começa a partir do km 30, é onde o bicho pega. São 12 km de subidas extremamente íngremes que parecem não ter fim.

Nesse trecho, já estava um breu total porque já havia escurecido. E é nessa parte onde muitos quebram. Quando faltava menos de 2 km para terminar de “escalar” a serra, cruzei com um corredor carioca que estava chorando, quase desistindo. Abracei ele e o incentivei a terminar o desafio. Cruzamos quase que juntos a linha de chegada. Foi uma emoção incrível. Terminei com uma sensação mágica e com aquele gostinho especial de ter vencido mais uma montanha.

O primeiro lugar do masculino ficou com o Marcelo Rocha, que completou o trajeto em 3h12m11s, enquanto a triatleta Carla Moreno foi a vencedora do feminino com 3h40m40s. O meu objetivo na prova não era tempo, mas sim registrar cada momento do percurso ao longo da Serra do Rio do Rastro, uma das mais lindas do Brasil. O resultado foi um vídeo emocionante que você pode assistir abaixo: