Economizar na corrida: veja como

Atualizado em 20 de setembro de 2016
Mais em Papo de Corrida

Provas o ano todo – e, em alguns casos, aliadas com viagens – acessórios importados, roupas, tênis… Se colocarmos tudo no papel, os gastos com a corrida podem ser consideráveis. Para te ajudar a driblar a crise e economizar na corrida, selecionamos algumas dicas preciosas. Confira!

Viagem interna

Muita gente tem o sonho de correr uma prova fora do Brasil. Mas os gastos com passagem, inscrição, hospedagem, alimentação e passeios pode inviabilizar a tão desejada viagem esportiva. Nesse cenário, procurar provas aqui na América do Sul (e mesmo dentro do nosso país), onde a influência do dólar pode ser menor no custo final, é uma boa alternativa. E nada de preconceitos! O sul do continente possui eventos de primeira linha, como a Maratona de Buenos Aires, na Argentina, a de Santiago, no Chile, e a belíssima Maratona do Rio, na Cidade Maravilhosa.

Assessorias esportivas

Ter um profissional te orientando nos treinos é essencial e, com isso em mente, algumas pessoas optam por contratar um treinador particular para realizar essa função. Porém, apesar dos benefícios, tal orientação pode pesar no bolso, já que as aulas são pagas por hora. Assim, buscar uma assessoria esportiva que se encaixe no seu bolso talvez seja a melhor forma de economizar na corrida. Além de contar com um acompanhamento especializado, ter a companhia de outros corredores no treinamento pode ser um incentivo e tanto!

Versão antiga

Você está atrás de um tênis novo ou de um GPS cheio de utiidades, mas quando olha os preços toma aquele susto. Afinal, os lançamentos nessas áreas costumam custar o olho da cara, não é? Mas calma, não precisa passar vontade. Em vez de optar pelo último lançamento do produto desejado, busque por suas versões anteriores, de um ou dois anos antes. Normalmente, elas possuem quase que todas as funções e qualidades dos equipamentos mais novos, mas com um preço muito mais acessível.

Planejamento

Nunca deixe para se inscrever em uma prova de última hora, sobretudo se for correr fora do Brasil. Isso porque, muitas corridas, principalmente as maiores do circuito, tendem a ter valor de inscrição que aumenta de forma gradativa. Ou seja, quem se inscreve primeiro, paga mais barato – e os atrasadinhos chegam a desembolsar duas ou três vezes mais (e com o dólar lá no alto, isso não parece boa ideia, certo?).