Conheça cinco corridas malucas pelo mundo

Atualizado em 26 de abril de 2016
Mais em Papo de Corrida

Na edição de julho da revista O2 apresentamos nove corridas malucas realizadas ao redor do mundo. Aqui você confere mais cinco!

Chama o Noel
A  Santa Dash  é uma prova que tem como objetivo, como o próprio nome deixa claro, homenagear o natal. Realizada todo mês de dezembro, no Reino Unido, ela possui percursos de 5 km e 10 km e tem uma regra muito importante: todos os participantes devem estar vestidos de Papai Noel. Além de curtirem a festa, os inscritos contribuem para instituições de caridade.

Guerreiros
Na  Warrior Dash, famosa corrida de obstáculos ao redor do mundo, o atleta tem de correr fantasiado e até saltar fogueiras ao longo do trajeto de 5 km. A prova começou em 2009, com 2.000 competidores, e em 2012 atingiu uma média de 15.000 em suas 65 provas anuais. Quem conclui o percurso tem direito a participar de uma festa regada a muita cerveja.

Sem vergonha
O Havaí é conhecido por suas lindas praias e por ser o templo sagrado dos surfe. Mas também existe por lá a Konan Underpants Run, uma corrida de rua curta, de apenas 2,5 km, em que os corredores participam com suas roupas intimas. A primeira edição rolou em 1997 e logo de cara já causou polêmica. Atletas que iriam participar do Iron Man por lá não gostaram da ideia e disseram que quem corria essa prova só queria aparecer, pois ela seria realizada semanas antes do evento.

Causa nobre!
A prova Tough Guy Challange nem é, na verdade, tão maluca assim. Mas os atletas que a encaram têm de ser… A corrida, que levanta fundos para ajudar os veteranos de guerra na Inglaterra, foi criada em 1982 e tem percurso de 13 km. Até aqui tudo normal, certo? O desafio mesmo está em enfrentar o frio da região, rios, gelo, e até fogo. Uma das partes mais difíceis leva o corredor a passar por uma caverna muito estreita e coberta de lama.

Peso pesado
Na Sumô Run, realizada em Londres, os participantes experimentam como seria enfrentar uma corrida no corpo de um lutador de sumô. Eles vestem roupas infláveis e correm, meio sem jeito, os 5 km do percurso. Todo o dinheiro arrecadado vai para ajudar crianças carentes na África.