Medicina esportiva: novidades tecnológicas podem ajudar atletas

Atualizado em 19 de dezembro de 2017
Mais em Corrida de Rua

Antes exclusividade dos atletas de alto de rendimento, agora as novidades tecnológicas da medicina esportiva estão também ao alcance dos esportistas amadores, cada vez mais competitivos e ávidos por superar seus próprios limites. E quando o assunto é corrida, existem desde os já conhecidos aplicativos, que ajudam a melhorar a performance e alcançar objetivos específicos, até equipamentos de análise da composição corporal e softwares que analisam a mecânica de corrida.

Desenvolvida nos Estados Unidos e com poucas unidades no Brasil, o aparelho – que se parece com uma cápsula – é capaz de analisar a composição corporal e calcular a porcentagem de gordura do corpo e massa magra por volume e peso. Antes de entrar no equipamento, o atleta é pesado em uma balança de alta precisão e, ao entrar na cápsula, o seu volume corporal é determinado pelo deslocamento de ar de dentro da câmara, fechada hermeticamente, que possui sensores responsáveis por detectar dados sobre a densidade do corpo. Essas informações são processadas e, por meio de algoritmos matemáticos, é fornecido o percentual de gordura do indivíduo. Utilizado por esportistas como o ex-jogador de futebol Ronaldo e pelo nadador Cesar Cielo (foto), essa tecnologia serve para verificar como o esportista responde aos treinos e dietas ao longo do tempo e pode auxiliar tanto o atleta profissional como o amador.

Outra forma inovadora de avaliação já existente em laboratórios de biomecânica no Brasil, e que pode ajudar no tratamento de lesões, é a análise cinemática da corrida. No processo, alguns marcadores reflexivos são colados em pontos estratégicos das articulações do corpo do atleta. Ao correr na esteira, câmeras de infravermelho espalhadas por todo o ambiente captam o movimento, analisado em tempo real por um computador. Por meio do teste pode se verificar como as articulações reagem durante a corrida. 

Outra novidade é a baropodometria, que também serve para prevenir contusões. Com um equipamento especializado, é possível fazer a avaliação que identifica até mesmo a distribuição do peso corporal na planta do pé. Quando o atleta pisa sobre uma plataforma de força, a pressão aplicada sobre ela é identificada por sensores e seus sinais elétricos são amplificados e registrados em um software específico que analisa todos os dados coletados. Com o resultado, é possível interferir na mecânica da corrida para evitar e auxiliar na recuperação de lesões, além de diagnosticar a necessidade da utilização de palmilhas de correção.