Massagem pós-corrida é realmente boa?

Atualizado em 20 de dezembro de 2017
Mais em Notícias

Há um bom motivo para os postos de massagens fazerem parte das principais provas de corrida de rua. As massagens ajudam a estender o esforço por mais algum tempo, já que diminui a tensão muscular e melhora a amplitude dos movimentos, ao mesmo tempo em que relaxa e serve como recompensa por todo o esforço e desgaste nos treinos e nas provas.

Quando feita de forma regular, ela pode, ainda, melhorar a recuperação pós-esforço, visto que expulsa a rigidez muscular, aquela que atrapalha a marcha e pode levar a problemas ao longo do tempo. Mas para que os resultados sejam percebidos, o indicado é aplicar mais pressão, com movimentos mais vagarosos, já que o objetivo da massagem pós-corrida é aliviar as dores e relaxar os músculos.

No entanto, apesar de sua popularidade e reputação positiva, não é verdade que os movimentos relaxantes conseguem eliminar o ácido lático da musculatura, um dos principais vilões de quem corre. Muitos corredores creditam a ele as dores pós-treino por acreditarem que seu excesso na musculatura faz com que os músculos fiquem mais doloridos. Na realidade, a dor é causada pelo exagero na intensidade, a qual causa o rompimento de microfibras musculares, que, aí sim, gera o acúmulo excessivo de ácido láctico nos músculos.

leia-mais-cinza
icon texto_menor  E QUANDO AS DORES NA VIRILHA APARECEM?
icon texto_menor  LIVRE-SE DAS CÂIMBRAS E CORRA MELHOR
icon texto_menor  ESTUDO: CORRIDA MANTÉM A MENTE SAUDÁVEL

Mas a massagem não é capaz de eliminá-lo. Professores das universidades norte-americanas de Auburn e de Ohio, e massoterapeutas de Boston analisaram amostras de músculos após um ciclo intenso de corrida e que depois sofreram dez minutos de massagem. O resultado? A dor diminui, mas o ácido lático continuou por lá.

Isso acontece porque, ao praticar qualquer atividade física, o organismo produz o ácido láctico independente da do seu nível de condicionamento físico. No entanto, dentro de 48 a 72 horas o próprio corpo elimina essa acidose, sem que a massagem possa acelerar esse processo.

Benefícios como relaxamento da musculatura, auxílio de lesões musculares e a sensação de bem-estar, realmente, são constatadas com a massagem, mas não a aceleração da remoção do ácido lático após a corrida.

Outros benefícios
Não precisa desistir da massagem apenas por descobrir que ela não elimina a acidose. A massagem pode, por exemplo, melhorar a performance das articulações, o que é uma ótima notícia para os corredores, que dependem delas e de músculos mais relaxados para ganhar performance. Isso acontece porque os movimentos de pressão feitos na musculatura amolecem o tecido e a as regiões tensas, melhorando o funcionamento do corpo.

Quer mais? A massagem pode atuar, ainda, na função imune e reduzir a inflamação do corpo, já que ela resulta no aumento do número de vários tipos de linfócitos (glóbulos brancos que desempenham papel fundamental no combate à infecção) e, ao mesmo tempo, diminui os níveis de cortisol (o “hormônio do estresse” ligado à inflamação crônica). Com os movimentos feitos durante a prática há, ainda, uma diminui da inflamação muscular em 30%, já que ela ajuda as células a construir mitocôndrias (os “motores” que geram energia para o corpo e facilitam a recuperação).

(Fonte: Patricia Mari Maruyama, terapeuta das Clínicas Luiza Sato – São Paulo)