Exercícios realmente nos tornam mais inteligentes?

Atualizado em 20 de dezembro de 2017
Mais em Notícias

Muitos estudos sugerem que a pratica de atividade física, realmente, melhora a memória e a capacidade de raciocínio. Já outras pesquisas dizem que os benefícios cognitivos trazidos pelos exercícios têm efeito placebo, ou seja, a certeza que ficará com a mente mais fresca depois de se exercitar é o que faz você ficar mais inteligente. Mas qual das duas teorias é a mais concreta?

Pesquisadores da Universidade do Estado da Florida (EUA) decidiram acabar com essa discussão por meio de um novo trabalho, publicado recentemente na revista científica PLoS One. Os cientistas recrutaram 171 voluntários e pediram para que metade deles estimasse o quanto um programa de alongamento e tonificação, realizado três vezes por semana, pode melhorar suas capacidades cognitivas, como memória e habilidades multitarefa. Ao outro grupo de participantes foi pedido que avaliassem o impacto de um programa semanal de caminhadas em sua inteligência.

O experimento mostrou que alongamentos e exercícios de tonificação, geralmente, têm pouco ou nenhum impacto sobre as habilidades cognitivas das pessoas. Enquanto andar a pé, por outro lado, parece melhorar substancialmente a capacidade de raciocínio.

Mas os voluntários do primeiro grupo pensaram o contrário, e estimaram que o programa de alongamento e tonificação é mais benéfico para a mente do que a caminhada. Em média, eles deram nota três, em uma escala de um a seis, às melhorias cognitivas vindas do treino de tonificação muscular.

Já o grupo dos andarilhos, mesmo após estimar que os benefícios da caminhada eram mais baixos, mostraram em testes uma melhora significativa no sistema cognitivo após a atividade. Segundo o estudo, esses dados podem ser animadores, principalmente, para praticantes de exercícios aeróbicos, como corrida, caminhada e ciclismo.

No fim, os resultados mostraram que a atividade física remodela o cérebro e pode, nesse processo, melhorar a capacidade de raciocínio. Essa conclusão deve incentivar muita gente a sair do sofá, já que os benefícios trazidos pelos exercícios, ao que parece, não são apenas coisa da nossa cabeça.