Doping: brasileiro diz que foi sabotado

Atualizado em 30 de maio de 2017
Mais em Notícias

O marchador baiano Hiago Pereira Garcia, suspenso por quatro anos pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) por doping, alega que foi sabotado durante o Campeonato Nacional Universitário da Rússia, país em que o atleta de 20 anos, e natural de Petrolina, habita desde 2014, quando recebeu um convite dos ex-atletas Aleksey Voeyvodin e Yulia Sergeevna, com foco nos Jogos de Tóquio (2020) . Hiago, que venceu a prova de 5.000 metros, testou positivo para as substâncias fenoterol e peroxisome, que turbinam a performance do atleta.

Para o atleta, que competiu de manhã, mas só foi chamado para passar pelo exame antidoping à tarde, alguém pode ter misturado as substâncias, que são ingeridas via oral, em alguma comida ou bebida e ele não percebeu Em entrevista ao site Máquina do Esporte, Hiago se defendeu da punição. “Essas substâncias encontradas nas minhas amostras devem ter entrado por algo que bebi ou comi despercebido. Pesquisei essas substâncias e vi que as duas são ingeridas por via oral. Acredito que isso foi feito antes ou depois da prova. Como não tenho como comprovar isso, aceitei a suspensão”.

leiamais-cinza-novo
icon texto_menor   DOPING: RÚSSIA PODE FICAR FORA DO RIO 2016
icon texto_menor   ESCÂNDALOS NA IAAF ATINGEM ALTO ESCALÃO 

Hiago, que está suspenso por doping até 1º de julho de 2019, não pensa em desistir da carreira no esporte, e tenta abrandar a pena para voltar a competir o mais breve possível, mesmo sabendo que, de acordo com as regras da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e da Agência Antidoping (WADA), o atleta é responsável pelas substâncias que foram encontradas em seu corpo.

O caso com o marchador brasileiro entra para a galeria de escândalos em que a Rússia está envolvida no mundo do atletismo. O país, que é acusado de acobertar casos de doping e não seguir à risca a política da IAAF sobre o tema, está preventivamente suspenso da entidade, desde novembro de 2015, e corre o sério risco de não ir ao Rio 2016. Para tentar reverter a situação, os russos anunciaram um novo presidente para a entidade, o ex-ministro de Esportes da região russa de Samara, Dmitry Shlyakhti, conhecido pela firmeza de suas opiniões e atos, e tem por mais urgente garantir a participação dos atletistas russos nas Olimpíadas.