Antidoping: mais rigor nos testes das Majors

Atualizado em 05 de agosto de 2016
Mais em Notícias

Disputadíssimas e com os prêmios mais cobiçados entre os maratonistas da elite mundial (que chegam a US$ 500 mil), agora, as World Marathon Majors (maratonas que acontecem em Tóquio, Boston, Londres, Berlim, Chicago e Nova York) terão testes antidoping intensificados. A medida visa evitar problemas como os que se apresentaram no ano passado, quando a campeã do feminino, a queniana Rita Jeptoo, testou positivo no exame de doping, sendo banida por dois anos das provas, IAAF e a WMM, os organizadores do evento, decidiram mudar as regras.

Segunda a organização da WMM, cerca de 150 corredores elegíveis ao prêmio passarão por exames antidopings regulares, durante a temporada e fora das competições. O aumento dos testes, no entanto, será apenas para complementar aqueles já feitos, e não substituirão os realizados pela IAAF e pela WMM.

leiamais-cinza-novo
icon texto_menor  MAJORS, AGORA, COM NOVAS REGRAS
icon texto_menor  PROGRAME-SE PARA AS PROVAS INTERNACIONAIS DE 2015
icon texto_menor  VAI PROGRAMAR SEU ANO? VEJA SUGESTÕES DE (BOAS) PROVAS

Ainda de acordo com informações da organização das provas, os diretores das corridas que formam as Majors estão determinados a erradicar o uso de drogas em suas maratonas, fazendo com que essa iniciativa seja um dos pontos principais para alcançar esse objetivo.

Também pensando em inibir os atletas a usarem substâncias proibidas, a organização definiu, ainda, que nenhum atleta que tenha sido pego no antidoping está apto a obter título da World Marathon Majors.