Razões para encontrar um parceiro de corrida

Atualizado em 29 de abril de 2016
Mais em Iniciantes

É fato de que todos os corredores já se sentiram preguiçosos em determinado dia ou situação, imaginando que seria melhor deixar a corrida para “mais tarde” ou, quiçá, para o dia seguinte. Acredite: você não é o único.

Nestes momentos, a preguiça de sair para correr pode aumentar (ainda) mais se você for o tipo de corredor que não gosta de treinar sozinho. E por que não apostar em um parceiro de corrida? Há vários fatores importantes para você levar em consideração e que podem te ajudar a espantar a preguiça e correr com alguém. Veja alguns:

Responsabilidade
Uma das maiores vantagens de ter um amigo (ou vários), corredor, é que ele pode oferecer mais responsabilidade. Funciona da seguinte maneira: você está sem forças para levantar cedo para correr sozinho. Mas, se você sabe que tem alguém te esperando, terá mais motivação para pular da cama. Em tese, o parceiro de corrida evita que você faça corpo mole ou invente desculpas para não correr.

leia-mais-cinza
icon texto_menor PARCEIRO NA CORRIDA: CADA UM, CADA UM
icon texto_menor CORRER ACOMPANHADO É PREFERÊNCIA DOS ATLETAS

Esforço
Além de afetar o corpo, essa “pressão” também funciona em seu subconsciente. Quando você corre com outra pessoa, seu subconsciente entende que você deve se esforçar mais, encontrar um ritmo melhor e, até mesmo, melhorar o seu desempenho. É claro que estes fatores devem acontecer de maneira natural, sem que você se sinta pressionado pelo seu colega ou pela sua própria mente.

Deixar o medo e a vergonha de lado
Muitas pessoas têm receio de começar a correr por vergonha ou com medo do que os outros corredores vão pensar. Os iniciantes, em alguma ocasião, se sentem pressionados ou intimidados a correr com outras pessoas mais experientes. Neste caso, por exemplo, ter um amigo de corrida pode te ajudar a esquecer o que acontece ao seu redor para que você foque somente na corrida e nos benefícios que ela irá te proporcionar.

(Fonte: Gérson Costa e Silva, treinador e professor de Ed. Física na UNIMESP –SP; Kátia Malaguti, consultora em psicologia do esporte no Rio de Janeiro)