Cuidado com as dores na região do quadril

Atualizado em 20 de dezembro de 2017
Mais em Iniciantes

Pedalar exige muito não apenas das pernas, mas também dos músculos responsáveis pela sustentação e articulação do quadril, diretamente envolvidos no movimento e na postura do ciclista. Assim, não é incomum que a prática muito intensa e frequente possa ocasionar dores nessa região. Porém, é preciso estar atento para saber se se trata apenas de uma dor muscular ou do sintoma de uma lesão mais grave, como a chamada bursite trocantérica, inflamação que acomete a bursa localizada na parte superior do fêmur, numa proeminência óssea denominada trocânter. Para explicar mais sobre o problema, conversamos com o médico do esporte e ortopedista Roberto Ranzini, especialista pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot) e pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE).

leiamais-cinza-novo
iconezinho
  DOR NOS GLÚTEOS? CONHEÇA AS CAUSAS

O que é

O termo bursite refere-se a um processo inflamatório que ocorre em uma bursa, que é uma pequena bolsa cheia de líquido (sinóvia) localizada em vários pontos do nosso corpo onde há atrito dos ossos com músculos e tendões quando nos movimentamos — sendo sua função justamente reduzir esse atrito. No caso da bursite trocantérica, a inflamação acomete a bursa situada na face posterior do trocânter maior do fêmur. Trata-se de uma proeminência óssea encontrada pouco abaixo da cabeça do fêmur, na altura do quadril, onde está inserido o músculo do glúteo médio, responsável por estabilizar a bacia.

Causas

Entre as principais causas da bursite trocantérica estão o excesso de exercícios que demandam ação dos músculos abdutores do quadril (glúteo máximo, glúteo médio, glúteo mínimo e tensor da fáscia lata), a falta de coordenação ou desequilíbrio entre esses músculos, a ocorrência de um forte traumatismo no local ou ainda repetidos microtraumas. No caso do ciclismo, o movimento repetitivo e prolongado de pedalar pode levar a uma maior predisposição à inflamação da bursa trocantérica. Isso porque durante o movimento, o tendão do músculo glúteo maior — que atua na extensão do quadril — pressiona a bursa contra o trocânter, o que pode ocasionar microtraumas ou lesões por overuse. Uma pancada na região do quadril ao cair da bicicleta também pode desencadear o problema. Há ainda fatores de risco, como problemas na coluna (escoliose, artrose, hiperlordose), ter uma perna menor que a outra e encurtamento ou fraqueza nos tendões ou músculos do glúteo.

Diagnóstico

O principal sintoma da bursite trocantérica é uma dor localizada na lateral do quadril, que piora quando há movimentação, apalpação local ou mesmo ao deitar-se de lado sobre a região lesionada. Muitas vezes o sintoma pode ser confundido com o de uma tendinopatia no glúteo médio ou mínimo, ou ainda com o de um atrito da banda iliotibial sobre o trocânter maior do fêmur. Portanto, o diagnóstico correto deve ser baseado na história clínica do paciente e em um exame físico completo que indique a causa real. Algumas vezes, são necessários exames complementares, como radiografia e ressonância magnética.

Tratamento

A princípio, o tratamento compreende fisioterapia, que ajudará a diminuir a dor e a inflamação, além de melhorar o alongamento muscular, a amplitude articular do quadril e o fortalecimento global de toda a musculatura. Caso a dor e a inflamação persistam, o médico pode prescrever a utilização de analgésicos e anti-inflamatórios. Intervenções cirúrgicas são muito raras nesses casos. Exercícios de propriocepção específicos também são importantes para recuperar a correta coordenação muscular antes do retorno à prática.

Prevenção

O problema pode ser prevenido com o correto ajuste do ciclista na bicicleta (bike fit) e a orientação de um profissional sobre a técnica adequada nos treinamentos. Além disso, é importante fazer exercícios específicos para fortalecimento e alongamento da musculatura dos membros inferiores.

Conteúdo publicado anteriormente na revista VO2 Bike, edição 105