ShutterstockFoto: Shutterstock

Tendências no mercado para os treinos de bike

Atualizado em 25 de julho de 2016
Mais em Bike

O treinamento em si cresce a cada dia que passa, seja ele por equipamento ou por método. Vemos, a cada ano, as médias aumentando, o grau de dificuldade cada vez maior e a exigência para o atleta também. Caramba…gostamos mesmo de sofrer não?

Na primeira etapa da Copa Vo2 deste ano, o circuito mudou para um percurso com maior dificuldade, devido a sua inclinação, o que inibiu muitas pessoas, porém, serviu de desafio para outros. E o mais interessante é que ninguém desanimou, e a pergunta que ficou é: será que vai ser o circuito antigo ou novo?

O desafio dos nossos treinos é diário, começando com família, trabalho, amigos e bike! Se bem que esses dois últimos acabam virando um só e quase sempre o assunto é a bicicleta, os suplementos, os percursos, as novidades, enfim, tudo aquilo que circunda o mundo ciclístico. Até porque, sempre tem alguém que vem com aquela pergunta para você: Estou pensando em começar pedalar, o que faço? Sim, a sua vontade é de dar uma palestra de 5 horas sem intervalo, mas sabe que a pessoa não vai entender nem metade.

Por isso, aqui podemos conversar e pensar sobre as maiores novidades do mercado na área de treinamento. Este ano, algumas marcas mostraram as principais novidades e tendências em forma de produto para o consumidor final e um aliado aos treinadores: O POTENCIÔMETRO.

Sim, eles já existiam, porém, com preços mais elevados e com uma precisão talvez não tão fiel. Hoje, durante um bike fit, você já é capaz de testar sua frequência máxima, limiar de lactato, potência máxima e a própria biomecânica da pedalada. Porém, nada como um teste em campo, certo?

E é por isso que marcas como a SRM, uma das mais antigas, traz um produto de altíssima qualidade e que fornece os dados diretamente para o seu velocímetro (Garmin, pois é sistema ANT), assim como a própria marca de velocímetro por GPS, a GARMIN terá o seu próprio potenciômetro. Este será instalado diretamente no eixo do pedal e mostrará ao ciclista os valores em porcentagem o torque da perna direita e esquerda, no próprio visor! Após o pedal, todos estes dados são transferidos para a sua conta e basta você compartilhar com seu treinador.

Marcas como a Polar também são pioneiras no mercado dos potenciômetros e esta deve apresentar agora em 2012 a sua parceria com o pedal KEO, porém, com conexão somente ao sistema POLAR.

Por que levanto esta questão? Porque quando surgiu a frequência, esta era uma arma de treinamento, porém, suas variáveis afetam na precisão do treinamento. Quando surgiu a cadência, obtivemos um grande aliado à técnica da pedalada e a exigência de forças no pedal. Pudemos definir cadências ideais junto ao frequencímetro. Agora, com o potenciômetro, saberemos exatamente como está o condicionamento do atleta.