Rio 2016: Brasil está fora do contrarrelógio

Atualizado em 20 de setembro de 2016
Mais em Bike

O Brasil não terá representantes no contrarrelógio do ciclismo olímpico no Rio 2016. O corte do país-sede foi anunciado pela  União Ciclística Internacional (UCI)  após o Brasil fechar em 6º lugar no ranking continental da entidade em 2015, com 571,5 pontos, atrás da Colômbia, Canadá, Argentina, Venezuela e Estados Unidos. O contrarrelógio olímpico, que será realizado no dia 10 de agosto, reunirá os 40 melhores atletas do mundo. O continente americano tem seis vagas, sendo duas dos EUA.

Já no ciclismo de estrada, o Brasil, por ser a nação anfitriã das Olimpíadas, tem direito a quatro vagas, sendo duas no masculino e duas no feminino. O melhor brasileiro, segundo o ranking anual da UCI, é William Chiarello, com 135 pontos. A disputa para o brasileiro que vai se juntar a William está apertada. Rodrigo Araújo é o atual 37º do ranking continental, com 68 pontos, seguido de muito de perto por Carlos Maraneli, o 38º (66 pontos) e Kleber da Silva, o 39º (66 pontos).

Já entre as mulheres, Flávia Oliveira, 68ª colocada, com 131 pontos também está próxima de garantir sua vaga no Rio 2016. Como a definição das vagas no feminino só será feita no início de junho, a companheira de Flávia está entre Clemilda Fernandes Silva, em 202º lugar (24 pontos), Janildes Fernandes Limas, a 249º do ranking, com 16 pontos, e Daniela Lionco, em 262º lugar (14 pontos).

Confira como estão distribuídas as vagas no contrarrelógio e no ciclismo de estrada

Contrarrelógio

Direito a dois ciclistas: Alemanha, Austrália, Bielorrusia, República Tcheca, Espanha, França, Alemanha, Itália, Holanda, Polônia, Estados Unidos

Direito a um ciclista: Argélia, Argentina, Áustria, Bélgica, Canadá, Colômbia, Dinamarca, Grã-Bretanha, Irã, Cazaquistão, Marrocos, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Rússia, Eslovênia, Suíça, Turquia, Ucrânia, Venezuela.

Ciclismo de estrada

Direito a cinco ciclistas: Bélgica, Colômbia, Espanha, Grã-Bretanha, Itália

Direito a quatro ciclistas: Alemanha, Austrália, República Tcheca, França, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Eslovênia, Suíça

Direito a três ciclistas: Argentina, Canadá, Dinamarca, Irã, Marrocos, Rússia, Ucrânia

Direito a dois ciclistas: Argélia, Áustria, Bielorrussia, Brasil, Croácia, Estônia, Irlanda, Japão, Cazaquistão, Coreia, Letônia, Lituânia, Nova Zelândia, África do Sul, Suécia, Turquia, EUA, Venezuela

Direito a um ciclista: Azerbaijão, Bulgária, Chile, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Eritreia, Etiópia, Grécia, Guatemala, Hong-Kong, Luxemburgo, México, Namíbia, Porto Rico, Romênia, Ruanda, Sérvia, Eslováquia, Tunísia, Emirados Árabes