Encontro de campeões

Atualizado em 11 de outubro de 2008
Mais em

Por Caio Barretto Briso
Fotos Dhani Borges

A menos de 24 horas da largada da Meia-maratona Internacional do Rio de Janeiro e do Mundial IAAFCaixa de Meia-maratona, um encontro com a imprensa realizado no Hotel Intercontinental, às 11h deste sábado, contou com a presença de Lamine Diack, presidente da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo), Pierre Weiss, secretário geral da IAAF, e Roberto Gesta de Melo, presidente da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo). Jornalistas dos Estados Unidos, da Alemanha, do México, da Argentina, do Quênia e de outros países ouviram as palavras dos três gestores.

“Esperamos ótimos tempos amanhã, talvez não recordes, mas com certeza uma grande competição”, disse Diack, diante dos atuais bicampeões mundiais de meia-maratona, Zersenay Tadese, da Eritréia, e Lornah Kiplagat, queniana naturalizada holandesa. Será uma surpresa para todos se as atuais marcas forem quebradas, pois “não podemos remover as montanhas do meio do caminho”, brincou Weiss. Traduzindo: o percurso da Meia-maratona do Rio não favorece a obtenção de tempos mais baixos, por conta dos aclives e declives do relevo – sem falar nos 27ºC esperados.

De olho nas Olimpíadas de 2016
Roberto Gesta de Melo aproveitou para lembrar que uma boa organização amanhã poderá contar pontos para a candidatura do Rio de Janeiro às Olimpíadas de 2016. “O fato de o campeonato mundial ser realizado aqui mostra o potencial da cidade para 2016. Amanhã será um dia determinante”, disse o presidente da CBAt.

Os atletas de elite
Mas o grande momento da coletiva foi o encontro com os bicampeões Lornah Kiplagat e Zersenay Tadese, além de Marilson Gomes dos Santos. Como sempre contido, o brasileiro afirmou que o fato de ele conhecer o percurso não o ajudará quando soar o sinal da largada, amanhã, às 9h15. “O nível desta prova é altíssimo, os melhores corredores do mundo estão aqui. Nunca houve uma prova tão importante quanto esta no Brasil”, disse.

Se Marilson falou pouco, Tadese, 26, falou menos ainda. O eritreu compreende pouco o inglês e suas respostas simples. Mas por trás do silêncio está ninguém menos que o segundo meio-maratonista mais rápido de todos os tempos, segundo a IAAF.

A única mulher da mesa, Lornah Kiplagat, derramou sorrisos e confiança sobre a platéia de jornalistas. Ela, que obteve a oitava colocação nos 10 mil metros de Pequim, é a grande favorita ao ouro de amanhã. “Já fiz as pazes com meu resultado em Pequim. Na verdade, sou uma corredora de rua, fui desde que comecei a correr, aos 19 anos, no Quênia. Correr na rua me traz liberdade, é o que me dá mais prazer”, disse Lornah, naturalizada holandesa desde 2003.