Correr longas distâncias

Atualizado em 07 de fevereiro de 2011
Mais em

*Por Miguel Sarkis

No início dos anos 70 muitos eram os curiosos que se embrenhavam na corrida como quem descobre o filão de ouro e está prestes a ficar rico. Mas o que muitos não sabiam e ainda continuam não sabendo é que o que descobriram não era tão reluzente assim. O que quero dizer é que tudo o que se vê em treinamentos de corredores adiantados, aqui no Brasil ou em qualquer lugar do mundo, não deve ser encarado como necessário e possível a qualquer corredor.

Estou me referindo aos treinos contidos em planilhas de atletas de alto rendimento. O que os curiosos gostam de focar é a quantidade de quilômetros que cumpre o sujeito de elite. Hoje 240 km por semana parecem tão grandes, porém eu fiz. Corri por pelo menos quatro anos a distância referida. Correr 35 km por dia pode parecer impossível nos dias de hoje, porém, na minha época de atleta sim, era possível. Não havia tanta poluição, os alimentos vinham de fontes confiáveis e demais ingredientes que compõem um treinamento bem planejado e estruturado.

Claro que estou falando de corredores comuns, assim como eu era, apesar de ter percorrido os 42 km em 2h35min, isso me colocava entre os dez melhores do Brasil.

Hoje os corredores devem ter em mente que é possível realizar uma maratona em algo como 2 horas e 15 ou 25 minutos, sem, no entanto, ter que percorrer os 35 quilômetros dia. É impossível? Tenho vários exemplos de corredores que conseguem realizar tais façanhas, até mesmo porque a sua rotina diária deixa de ser rotina e entra num patamar de vida saudável, criteriosa e feliz. O exemplo fica por conta de Alberto Salazar, cubano naturalizado americano que ganhou três vezes a maratona de Nova York, sem possuir condições fisiológicas para sustentar treinamentos de 30 quilômetros dia. Na verdade, ele só sustentava realizar treinos de até 25 km. Parece mentira, porém, é verdade. O que faz a diferença entre um atleta e um não atleta é justamente o tempo de treino e a qualidade de vida que cada um leva.

É possível um corredor obter tais resultados tendo em suas costas um caminhão de afazeres domésticos e profissionais? Sem contar com o trânsito que deve acabar com o restinho de humor…

Agora vejamos o que vem a ser um treino longo:
Treinamento acima dos 15 km pode ser um longo, como o que muita gente já conhece. Eu utilizo, muitas vezes, a denominação de longo para os 15 km para pessoas que estão em fases de aperfeiçoamento, sem reunir condições físicas, profissionais e demais outras, para sustentar os treinos acima desta distância.

Acreditem, treinar longos depende das condições fisiológicas e psicológicas. Então, antes de achar que pode sair por aí correndo dois dias sem parar, melhor observar suas condições para este tipo de treino e se como resultado não desenvolve lesão, dores e desânimos.

Mas tem gente por aí realizando 30 km como se fossem 10 km. Então, cada caso é um caso e temos, mais uma vez, que analisar o que é possível. O treinamento de um atleta que já atingiu um estado de alto rendimento não deve ser comparado e nem copiado por qualquer corredor que esteja iniciando os treinamentos.

Os longos, em planilhas de atletas já experientes, muitas vezes são rodagens fáceis e não cabem na planilha de qualquer um. Neste caso, e nos dias de hoje, nem na minha planilha caberia (teria que readaptar o meu dia a dia e os meus treinos). Há um batalhão de corredores realizando longos em locais diversos no Brasil, e terminando exaustos, com dores e muitas vezes, afastando-se dos treinamentos.

Então, se você está no estágio adaptação I, ou seja, só anda, por enquanto, então esqueça treinos de longas. Se você está no estágio II da adaptação para a corrida, então deve permanecer em treinos curtos e médios, até que passe para o estágio seguinte. Se você está no estágio III da adaptação para a corrida, então deve realizar distâncias médias, para que seu organismo se adapte ainda mais, sem permitir o surgimento de lesões.

Para os estágios de aperfeiçoamento, em que o corredor já praticou mais de três anos de corrida, sem interrupções, então se deve praticar um ou dois treinos longos (sendo um treino acima dos 15 km e outro acima dos 25 km, aproximadamente), durante a semana, se o seu objetivo for uma maratona.

Se você é um corredor de alto rendimento, deve observar, através dos exames de saúde, se está capacitado a realizar treinos tão longos.

Melhores períodos para realizar os treinos longos:

No período de treino denominado base, no inicio dos treinamentos no ano;

Nos treinamentos para uma maratona;

Quando for o caso de participar de uma ultramaratona e você o ultramaratonista tenha aval dos médicos e de um profissional competente.

Espero que estes assuntos tenham ajudado você a concluir um pouco mais sobre os treinamentos de corrida longa. Concluo afirmando que o treino longo, por si só, não se trata de um meio de condicionamento físico, mas uma forma de aperfeiçoamento.

Bons treinos
Miguel Sarkis


*Miguel Sarkis é Personal Trainer há 33 anos com Certificação Técnica de Atletismo pela IAAF e diretor técnico da assessoria esportiva Miguel Sarkis; Formação para Técnico em Atletismo; Especialização em Obesidade, Cardiopatas e Idosos; Desenvolve programa de qualidade de vida para pessoas de baixa renda na USP Leste (projeto Periferia Legal), e é autor do Livro: A Construção do Corredor – Editora Gente. Para acompanhar Miguel Sarkis: blog.miguelsarkis.com.br