Circuito Caixa em São Paulo

Atualizado em 19 de outubro de 2008
Mais em

Por Fátima Martin

Poucos atletas circulavam pelo estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, nesse domingo, 19 de outubro, às 7h. O primeiro dia do horário de verão, com os ponteiros adiantados em uma hora, contou com tempo nublado e garoa típica da capital paulistana. Por isso, a maioria dos corredores que participou da oitava etapa do Circuito Caixa chegou por volta das 7h30 para a retirada do chip. Quem conseguiu estar no local antes disso, pode fazer massagem na tenda do Espaço Saúde Melhor.

Amadores aprovam a corrida
A 8ª Etapa do Circuito de Corridas Caixa, que foi realizada pela 5ª vez na cidade de São Paulo, teve largada dentro do Estádio do Pacaembu e seguiu pela Rua Margarida, Rua Marta e Elevado Costa e Silva até o quilômetro cinco. Nesse ponto, havia um retorno e os atletas voltaram pelo Elevado Costa e Silva, Rua Margarida, Avenida Pacaembu até a chegada dentro do estádio. O evento reuniu cerca de 1.500 atletas, número inferior ao previsto pela equipe organizadora do evento, de 2.000 participantes.

O corretor de imóveis Salustiano Pereira Magalhães Filho, 44, que corre há pelo menos 27 anos e já participou de 26 provas da Corrida de São Silvestre, seis maratonas, entre elas Berlim e Nova York, aprovou o novo percurso da prova. “Gostei muito do percurso e também de poder largar dentro do estádio. É muito bom ser recebido pelos expectadores no Pacaembu”, elogiou.

O percurso beneficiou alguns atletas, que tiveram o seu melhor tempo. Em sua estréia no Circuito Caixa, o representante comercial e corredor há dois anos, Misael de Brito, 29, acredita que o clima e o percurso favoreceram para atingir o seu melhor tempo, 39min05s. “A temperatura agradável foi aliada durante o percurso relativamente fácil, com exceção do vento contra que pediu mais força muscular em alguns pontos, como no elevado”, disse.

A corredora Renata Lemos Camarero, 24, disse que a prova teve nível médio se comparada com a prova realizada em Ribeirão Preto, no dia 14 de setembro. “Essa é a quarta fez que participo desse circuito. Desta vez, alcancei o meu melhor tempo, 47min45s. As ruas planas, com subidas e descidas me ajudaram a manter o meu ritmo. Foi bem melhor do que a etapa de Ribeirão, que tinha muitas subidas acentuadas”, relembrou.

O advogado João Eli Teixeira, 47, que participa de corridas há mais de nove anos, preferiu manter a mesma velocidade do filho, João Henrique Teixeira, estudante de 20 anos, do que tentar superar o seu melhor tempo. “Corremos em um ritmo ideal para chegarmos juntos. Apesar de completar a prova com o tempo três minutos a mais em relação ao que estou acostumado, valeu a pena estar lado a lado com o meu filho”, orgulhou-se.

João Henrique gosta do apoio do pai. “Foi ele quem me incentivou a começar a correr em uma pista perto de casa. E hoje, já consegui completar a corrida em 50min”, disse.

Horário de verão
Além de preparação física para correr os 10 km, foi preciso adequar-se ao horário de verão. Para isso, a gerente de projetos Fernanda Altman, 34, foi dormir mais cedo para não ficar cansada. “Deitei às 21h, teoricamente seriam 22h. Alterei o relógio antecipadamente para que o cansaço ou o sono não diminuíssem o meu ritmo”, contou.

O administrador de empresas Paulo José de Souza, 25, adiantou relógio às 17h de ontem. “Para não sentir que acordei antes do tempo, já fui me acostumando ontem mesmo com o novo horário. Eu corri bem durante toda a prova, só senti aquele cansaço físico comum do final de prova”, disse.

Já o estudante Rodrigo das Neves Martins, 22, teve mais dificuldade para completar o percurso. “Acordar uma hora mais cedo me deixou bem cansado durante toda a corrida. A prova começou a ficar mais pesada quando comecei a subir o elevado”, falou.

A elite masculina
O favorito na disputa masculina, Giomar Pereira da Silva, venceu a prova com 29min30s. Desta vez, o Quênia teve apenas espaço para um de seus três atletas no pódio, com Mutai Kiprop em segundo lugar (29min40s). Outro brasileiro, Anoé dos Santos Dias, ficou na terceira colocação, com 29min50s.

“Corri em ritmo moderado. Guardei fôlego para os dois quilômetros finais da prova. Para participar de uma corrida como esta, o atleta tem que saber manter o ritmo desde a largada, porque no final sempre acontece uma surpresa”, comentou Giomar, referindo-se ao queniano que chegou logo atrás dele.

No feminino, Maria Zeferina Baldaia chegou em primeiro lugar com o seu melhor tempo deste ano para provas de 10 km: 34min22s. As atletas Adriana Aparecia da Silva e Conceição de Maria Carvalho Oliveira, que disputaram a corrida ao lado de Zeferina até o km 6, completaram a prova com 34min55s e 35min05s, respectivamente.

“Corri com a Adriana e a Conceição no começo. Depois da metade da prova, assumi a liderança. Adorei o percurso, porque é bem variado e muito parecido com o que estou acostumada a treinar”, falou Baldaia.

Prova infantil
A Caixa organizou pelo segundo ano consecutivo a prova infantil em São Paulo. O evento, que começou às 13h, teve a participação de cerca de 700 crianças e jovens, entre 4 e 15 anos. Os corredores mirins competiram de acordo com a faixa etária, nas categorias masculina e feminina, em percursos que variaram de 50 a 800 metros.

Esculturas de balões, aulas de malabarismo e tatuagens corporais foram algumas das atividades disponíveis no espaço infantil. Todos os atletas-mirins, que completaram a prova, receberam medalhas de participação.

:: Serviço: 8ª Etapa do Circuito de Corridas da Caixa
Data:
19/10/2008
Horário: 8h
Clima: nublado
Temperatura: 17ºC (média)
Umidade: 88% (média)
Participação: 1.500 pessoas
Vencedores
Masculino

1º – Giomar Pereira da Silva – 29min33s
2º – Mutai Kiprop (Quênia) – 29min40s
3º – Anóe dos Santos Dias – 20min50s

Feminino
1ª – Maria Zeferina Rodrigues Baldaia – 34min22s
2ª – Adriana Aparecida da Silva – 34min55s
3ª – Conceição de Maria Carvalho Oliveira – 35min05s