Alimentação para a semana da prova

Atualizado em 14 de agosto de 2007
Mais em

Por Juliana Saporito

Muitas dúvidas sobre o que comer surgem quando o momento de disputar uma prova se aproxima. É possível cuidar da alimentação corretamente em apenas uma semana? Devemos alterar nossos hábitos, priorizando alimentos que dão mais energia? O que devemos incluir e o que é preciso eliminar de nosso cardápio?

Para responder essas perguntas, conversamos com a nutricionista Tânia Rodrigues, da RGNutri, que esclareceu os principais pontos que devem ser considerados pelos esportistas.

Logo de início, é bom saber que é possível organizar uma dieta apropriada em uma semana, visando a melhora na performance. Para funcionar bem, é importante que todos os grupos alimentares estejam incluídos neste plano, de maneira equilibrada.

“Na semana que antecede as competições, deve haver equilíbrio entre o consumo de carboidratos, de proteínas e de gorduras (em quantidades reduzidas), sem a necessidade de restringir alimentos”, explicou Tânia. Outra dica importante é fracionar as refeições em cinco ou seis porções diárias, divididas em café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde, jantar e uma eventual ceia.

Procure fazer algumas alterações no cardápio para um melhor equilíbrio dos grupos indicados e a redução no consumo de gordura. Substitua a pizza por um espaguete ao sugo, troque a picanha com farofa por filé grelhado e batatas assadas ou, ainda, prefira um sanduíche preparado com queijo branco e peito de peru no lugar do hambúrguer. Isso tudo permitirá um armazenamento de glicogênio muscular suficiente para evitar ganho de gordura corporal nestes dias de diminuição natural na intensidade de treinos, já que o foco é poupar esforços para a disputa.

Para o dia da prova, há mais cuidados a se tomar. “Na refeição que antecede a prova, deve-se evitar alimentos ricos em fibras, como cereais integrais, frutas com casca ou bagaço, verduras e legumes crus”, orientou a nutricionista. Eles podem acelerar o trânsito intestinal e provocar desconforto durante a prova. “Os carboidratos (massas, pães e arroz) devem ser priorizados e a ingestão de proteínas como o leite, queijos, carnes e ovos, deve ser diminuída”, completou Tânia Rodrigues.

É sempre importante ter em mente que o preparo nutricional adequado para os treinamentos e competições deve ser feito de maneira gradual, desde o início do plano de treinos. A indicação é de seja seguido por um período médio de três a seis meses, sem variações bruscas. Manter a estabilidade na alimentação é tão importante quanto não deixar de treinar.