30 dias de ciclismo

Atualizado em 18 de outubro de 2011
Mais em

Por Fernando Bittencourt

Embora a prova de estrada dos Jogos Olímpicos de 2012 seja apenas cinco dias após o término do Tour de France, Mark Cavendish afirmou nesta terça-feira (18) que disputará a grande volta francesa e ignorou os boatos de que a Sky poderia aconselhá-lo a disputar apenas uma prova, a fim de defender a camisa verde ou buscar o título olímpico, deixando Bradley Wiggins para a disputa restante.

Após a apresentação oficial da prova, Cavendish disse claramente: “Estou indo a Paris”. O britânico ainda afirmou que não será o único a participar dos dois eventos e falou que muitos utilizarão a disputa em solo francês para aprimorar a forma física para a prova olímpica, que acontecerá dia 28 de julho.

“Acredito que muitos dos favoritos para as Olimpíadas participarão do Tour de qualquer forma, então, farei o mesmo. Tenho que concluir o Tour de France se eu quiser vencer em Champs-Elysées e, então, serão cinco dias até Londres. É assim que tem que ser, então darei o meu melhor durante quatro semanas”, afirmou o campeão mundial de estrada.

Com duas longas provas de contrarrelógio pela primeira vez desde 2007, a Sky e Cavendish saber que Bradley Wiggins tem uma chance de ouro para buscar o em Paris. Entretanto, o campeão mundial insiste em dizer que ele e seu futuro companheiro de equipe podem disputar juntos pelo mesmo time em julho.

“Mantenho contato com Brad todos os dias. Se houver algum problema entre nós, no mínimo um da dupla não estaria na Sky no ano que vem. Me juntei ao time porque eu acho que eles podem chegar longe e Wiggins está lá por este mesmo motivo. A Sky tem ambição, então qual o problema? Vários times já fizeram isto antes”, disse o recém-contratado da equipe.

A última esquadra a conquistar a camisa verde e a amarela no Tour de France foi a Deustche Telekom, equipe de Erik Zabel e Jan Ullrich, em 1997, mas Cavendish acredita que poderá repetir o feito com a Sky 15 anos depois.

“É um desafio para muitos times, mas não é impossível, pois já fizeram isto no passado. Temos muita força para buscar esta meta, portanto, iremos tentar e buscaremos a camisa verde e a amarela”, afirmou o ciclista.

O dono da camisa verde do Tour deste ano concluiu fazendo uma prévia da prova, que para ele, será benéfica a muitos atletas: “Creio que terá algo de bom para todos no ano que vem. Imagino que teremos muitos vencedores diferentes no próximo Tour, mas espero que não seja assim nos dias de sprint. Será um percurso muito diverso, com sete dias de sprint, como o usual. 92 km de contrarrelógio é algo bom para os especialistas e há uma boa mistura entre pequenas e altas montanhas”, finalizou Cavendish.